Especialistas afirmam que não deveríamos divulgar o nome de assassinos em massa

O que acontecerá com o quarto do atirador no hotel Mandalay Bay?

Quando pessoas nuas ou torcedores invadem o campo durante uma partida de futebol, a maioria dos canais de televisão não transmite as cenas da invasão, já que isso poderia incentivar outros indivíduos a fazer o mesmo.

Será que deveríamos começar a fazer a mesma coisa com autores de massacres?

A resposta é “sim”, de acordo com um grupo de 147 especialistas em comportamento, incluindo criminólogos, sociólogos e psicólogos. Eles escreveram uma carta aberta pedindo que a mídia pare de divulgar nomes e fotografias de assassinos em massa.

Adam Lankford, da Universidade de Alabama, nos Estados Unidos, é um dos autores da carta, e disse ao site Live Science que “Eles querem ser celebridades”.

“Sabemos que alguns destes assassinos disseram coisas como ‘Quanto mais você matar, mais será conhecido’, e ‘Alguém que não é conhecido por ninguém será conhecido por todos,’” ele explicou.

Lankford, que conduziu um estudo sobre massacres em 171 países, diz que este pode ter sido um fator no ataque ocorrido em Las Vegas na semana passada.

Mapa do local onde o festival estava sendo realizado em Las Vegas.

Lankford disse ao jornal San Francisco Chronicle: “O pai do atirador de Las Vegas já esteve na lista de criminosos mais procurados dos Estados Unidos, então não há dúvida de que ele cresceu sabendo que cometer crimes é uma forma de atrair muita atenção”.

“Ele claramente tinha uma ideia da quantidade de atenção que receberia da mídia. Os assassinos em massa sabem que para ter fama, devem matar o maior número possível de pessoas”.

Rob Waugh