Especialistas alertam para possível volta aos EUA de doença que causa paralisia em crianças

·2 minuto de leitura
O CDC dos EUA disse que "antecipa que 2020 será outro ano de pico para casos de mielite flácida aguda", que afeta principalmente crianças

Uma condição neurológica rara que afeta principalmente crianças e retorna misteriosamente a cada dois anos provavelmente aparecerá nas próximas semanas e meses, alertaram as autoridades de saúde dos Estados Unidos nesta terça-feira (4).

Os Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) informaram a previsão de que "2020 será outro ano de pico para casos de mielite flácida aguda (AFM)".

A doença, que provavelmente é causada por um vírus, pode causar paralisia permanente e complicações com risco de vida por insuficiência respiratória, acrescentou o CDC.

"A AFM é uma emergência que requer cuidados médicos e monitoramento imediatos, já que pode progredir rapidamente para insuficiência respiratória", afirmou nesta terça-feira a jornalistas o diretor do CDC, Robert Redfield.

Ele alertou os pais para não hesitarem em hospitalizar seus filhos, apesar da pandemia de COVID-19, se eles apresentarem sintomas.

A maioria dos pacientes desenvolve fraqueza repentina nos braços ou pernas, com a doença afetando o sistema nervoso, especificamente a área da medula espinhal chamada substância cinzenta, explicou.

A AFM atinge seu pico a cada dois anos, de agosto a novembro, desde 2014.

Em 2018, 238 casos foram identificados nos Estados Unidos, com pacientes com idade média de cinco anos.

Os médicos pouco podem fazer para tratar a doença, que pode causar paralisia em poucas horas ou dias e não tem tratamento conhecido.

"Infelizmente, muitas crianças com AFM terão incapacidade permanente", disse Thomas Clark, pediatra e vice-diretor de doenças virais do CDC.

"É realmente importante que as crianças entrem em reabilitação", como fisioterapia e terapia ocupacional, acrescentou.

Autoridades estão contatando as famílias de crianças que contraíram AFM em 2018 para descobrir como a doença progrediu, além de detalhes sobre seu estado atual de paralisia.

Os primeiros sinais de alerta da AFM incluem febre e sintomas respiratórios e, após seis dias, fraqueza nos braços e pernas às vezes acompanhada de dificuldade para caminhar, dor no pescoço ou nas costas e dor nos membros, de acordo com um estudo de 2018 casos.

Além da paralisia permanente, a AFM também pode causar complicações respiratórias graves, com quase um quarto dos pacientes precisando de ventilação mecânica para respirar.

Os enterovírus são os principais suspeitos da causa da AFM, particularmente o enterovírus-D68, encontrado em cerca de 30 pacientes.

Os especialistas do CDC, no entanto, disseram que não descartam o envolvimento de outros vírus na doença.