Especialistas criticam discursos de autoridades brasileiras em comitê de combate ao racismo da ONU

Nessa semana, o Brasil é o tema do Comitê pela Eliminação da Discriminação Racial e pelos Direitos Humanos (CERD) da ONU. No primeiro dia de audiência, nesta quarta (16), representantes de ONGs brasileiras, que estão em Genebra, criticaram o material apresentado pelo governo brasileiro, com dados apenas até 2017. Uma das falas questionadas pelos especialistas foi o do secretário de Atenção Primária à Saúde, Raphael Câmara, que negou que a mortalidade materna entre negras seja superior à das brancas, o que não corresponde às estatísticas do Ministério da Saúde.

Assassinato em motel: depoimento de garoto de programa acrescenta novos elementos a caso de empresário morto pela noiva

Racismo e intolerância: Oito integrantes de célula neonazista flagrados em SC têm prisões preventivas decretadas

Integrantes do CERD, que também foram municiados com informações de um " relatório sombra" feito por ONGs e ativistas brasileiros, fizeram diversos questionamentos às autoridades brasileiras. Os principais pontos foram sobre programas de erradicação da pobreza, equiparação de salários entre negros e brancos, acesso à educação, representatividade na política, redução da desigualdade na saúde e redução da violência policial. Nesta quinta, está sendo realizada a última fase de audiência. Ao final, o comitê da ONU enviará recomendações ao estado brasileiro.

— No nosso relatório, tocamos em pontos como genocídio da população negra, feminicídio, violência policial, questão do aborto. Gama de temas que entendemos importantes, principalmente sobre o o racismo estrutural do Estado e a falta de políticas específicas que deem conta do tema —explicou Rodnei Jericó da Silva, advogado e coordenador do programa SOS Racismo de Geledé Instituto da Mulher Negra, um dos autores do relatório sombra.

Relatório do governo atrasado há mais de 10 anos

Em 2001, após a Conferência de Durban, o Brasil se comprometeu a entregar relatórios periódicos sobre suas ações de combate ao racismo. No entanto, só o fez em 2004 e, desde então, uma nova atualização estava em atraso. Procurado, o Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos (MDH) explicou que a atual gestão começou a trabalhar no assunto em 2019 e o relatório entregue "compreende o período de 2004 a 2017. No próximo, será abordado o período a partir de 2018".

Ativistas, no entanto, acreditam que a omissão de dados mais recentes poderia ser uma "escolha estratégica", considerando os resultados obtidos, no tema, pela atual gestão. Jericó da Silva faz uma avaliação positiva dos pontos levantados em audiência, mas diz que as autoridades brasileiras presentes faltaram com a verdade em diversas respostas.

– Apresentaram números que nos parecem irreais, como quando disseram que representação de afrodescendentes dentro da magistratura hoje é de 21%, o que sabemos que não condiz com a verdade. O representante do Ministério da Saúde disse que o governo priorizou vacinação de indígenas, quilombolas. Falas distorcidas da realidade. Houve um retrocesso absoluto em políticas sociais no governo Bolsonaro, aumento de violações de direitos humano e do discurso de ódio –disse o especialista.

Em seus discursos, representantes do Ministério da Cidadania, da Saúde e do MDH defenderam ações do governo durante a pandemia, como o auxílio emergencial e a vacinação. Houve, também, muita ênfase ao programa "bem-vindos", para abrigar refugiados, especialmente venezuelanos.

– O governo se mostrou comprometido com a promoção da igualdade social, comprometido em apoiar a população vulnerável, e com o combate à desigualdade – afirmou Ivelonea de Araújo, representante do Ministério da Cidadania.

Alta de mortalidade materna

Entre os dados contestados, a articulação composta pelas ONGs Criola, Geledés Instituto da Mulher Negra, Comunidade Bahá’í do Brasil, Coalizão Negra por Direitos e Instituto Raça e Igualdade, está o de mortalidade materna. Segundo os dados oficiais, do próprio Ministério da Saúde, a taxa de mortalidade materna no país saltou de 57,9 (2019) para 107,5 (2021) a cada 100 mil nascidos vivos, sendo 61,3% de mulheres negras.

Mas, na audiência, o secretário Raphael Câmara, que se notabilizou por defender abstinência sexual como política pública, negou o problema no país e também não reconheceu a existência de violência obstétrica.

– O desconhecimento do secretário tem a ver com o atual governo. As taxas de mortalidade de mulheres negras nunca pararam de crescer. Os índices apresentam que essas mulheres têm a vida atravessada pela fome e insegurança alimentar, falta de saneamento, trabalho e renda. Além disso, têm acesso precário à saúde e educação e estão mais expostas às violências e à violação de direitos por parte do Estado – afirmou Lúcia Xavier, coordenadora Geral da ONG Criola.

"A articulação apresentou um relatório que, além de mostrar ataques à saúde e à sexualidade de mulheres negras, denuncia o genocídio da população negra, racismo religioso, insegurança alimentar, encarceramento em massa, bem como violações aos Direitos Humanos e direitos das populações lgbtqi+p e quilombolas. O objetivo final é provocar o Estado Brasileiro para que cumpra com os tratados internacionais do qual é signatário e que determinam medidas para o enfrentamento da desigualdade, discriminação racial, racismo e para promoção dos Direitos Humanos da população afrodescendente" afirmou, em nota, a articulação.

Racismo religioso

Também presente em Genebra, Mãe Nilce de Iansã destacou a pesquisa, realizada pela Rede Nacional de Religiões de Matriz Africana, sobre racismo religioso.

– Trouxemos recomendações, de como aprimorar mecanismo de denúncia contra crime de racismo religioso, para melhorar atendimento nas delegacias e punir severamente esse crime, que nos mata. Queremos medidas protetiva e uma política de proteção para o nosso povo. Queremos ser ouvidos, mas o assunto não tem interessado ao poder público.

Esse grupo tinha base no Rio Grande do Sul, mas atuava fazendo vítimas por todo País. As provas serão compartilharas com outras polícias judiciárias para que os criminosos possam responder por todos os crimes cometidos – acrescentou Cavalcante.