Especialistas explicam diferenças entre lavar mãos com álcool gel ou água e sabão

·2 minuto de leitura

Quem é mais eficaz? Água e sabão ou o álcool gel? Desde o início da pandemia da Covid-19, as garrafinhas com álcool passaram a ser item necessário nas bolsas e mochilas. Hoje, data em que a Organização Mundial da Saúde (OMS) instituiu como o Dia Mundial de Higienização das Mãos, profissionais mostram que o gesto, que dura alguns segundos, pode evitar outras doenças, além do coronavírus.

A enfermeira Daniele Moço, da Comissão de Controle de Infecção Hospitalar do Complexo Hospitalar de Niterói, explica a diferença:

— Se tiver sujidade visível, tem que higienizar na torneira com água e sabão, não adianta só passar álcool porque não limpa totalmente. Se não tiver sujeira vissível, o álcool gel tem ação que consegue eliminar qualquer bactéria nas mãos. A higienização com álcool gel leva de 20 a 30 segundos; com água e sabão, de 40 a 60 segundos. São segundos que salvam vidas.

Apesar do tempo, a técnica é a mesma. Mesmo com álcool é preciso fazer movimentos semelhantes aos da lavagem das mãos (veja ao lado).

— A população em si não tem conhecimento de que só passar o álcool não adianta. Ele precisa ser friccionado em várias partes das mãos. Tocou ou desceu do ônibus, utilizou a máquina de cartão, use álcool gel. As mãos são fontes de transmissão de infecção — explica a enfermeira.

Entre as doenças que podem ser evitadas pela higienização das mãos estão, além da Covid-19, gripe, resfriado, conjuntivite, escabiose (sarna), herpes simples, entre outras.

Unhas cortadas

O álcool gel também é uma alternativa nos casos em que não há acesso imediato a água e sabão, explica Cristiane Lamas, infectologista e professora de Medicina da Unigranrio:

— A lavagem com água e sabão é bastante efetiva em remover a maior parte das bactérias, de vírus e de fungos, mas, muitas vezes, não temos acesso imediato. Aí entra o papel importante do álcool gel, que fica mais tempo nas mãos do que o álcool líquido (que é algo portátil).

Lamas destaca que a higienização das mãos compreende também o hábito de cortar as unhas.

— Mesmo mantendo as unhas curtas, devemos usar uma escovinha com o objetivo de remover a sujidade por debaixo das unhas. Nem água e sabão nem álcool gel conseguem eliminar resíduos escondidos — diz a médica.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos