Espetáculos celebram o centenário de Linda Batista

Gustavo Cunha

Linda Batista ainda rouba a cena. Artista que obteve por mais tempo a faixa de Rainha do Rádio — foram 11 anos com o título, entre as décadas de 1930 e 1940, quando desbancou nomes como Marlene, Emilinha e Dalva de Oliveira —, a cantora (1919- 1988) volta a ser aplaudida com vigor. Neste ano em que se comemora o centenário de nascimento da intérprete, duas homenagens musicais se destacam nos palcos da cidade, simultaneamente.

Nesta quarta-feira, é a última chance para conferir “Mona canta Linda”, com Mona Vilardo, no Teatro Maison de France, no Centro. Também nesta quarta-feira, acontece a estreia de “Linda! — Uma homenagem a Linda Batista”, com Adriana Quadros, no Teatro Prudential, na Glória.

As narrativas seguem estruturas parecidas, num formato de show que inclui breves comentários sobre a trajetória de Linda. A ideia, as atrizes ressaltam, é resgatar a importância de um marco da música brasileira.

— Ela foi uma mulher que colocou a carreira em primeiro lugar e viveu um longo momento áureo, apaixonando o público apenas com a voz — diz Mona, que se dedica a uma extensa pesquisa sobre o tema (neste ano, ela lançou o livro juvenil “Dalva, minha vó e eu”, o primeiro da coleção “Elas por ela: as rainhas do rádio por Mona Vilardo”).

No tablado, 16 canções são executadas sob direção de Vilma Mello, ao lado de uma banda formada por Kuko Moura (piano), Ricardo Nascimento (trompete), Ayres D’Athayde (percussão) e Francisco Falcon (contrabaixo acústico).

A lista é ainda mais extensa em “Linda! — Uma homenagem a Linda Batista”. Acompanhada de João Mario Macedo (contrabaixo), Sidney Herszage (sax/flauta) e Carlos Henrique (baterista), com textos lidos em off por Ricardo Cravo Albin, Adriana Quadros dá nova roupagem a 24 letras emblemáticas, como “Ô abre alas”, “Madalena” e “Quem sabe da minha vida sou eu”, além de clássicos de Lupicínio Rodrigues, com quem Linda estabeleceu uma frutífera parceria, como “Volta”, “Vingança” e “Foi assim”.

— Temos que reviver as histórias desses grandes ícones para que as próximas gerações deem o devido valor à memória nacional — frisa Adriana. — Linda arrebata em sua forma visceral de cantar, com seu jeito cheio de atitude. Para sermos as mulheres de hoje, foi preciso existir mulheres assim como precursoras.

‘LINDA! — UMA HOMENAGEM A LINDA BATISTA’

Teatro Prudential — Sala Adolpho Bloch: Rua do Russel 804, Glória — 3554-2934. Qua, às 20h. R$ 60. 75 minutos. Não recomendado para menores de 14 anos. Até 4 de dezembro.

‘MONA CANTA LINDA’

Teatro Maison de France: Av. Presidente Antonio Carlos 58, Centro — 2544-2533. Qua, às 19h. R$ 50. 75 minutos. Não recomendado para menores de 12 anos. Até 27 de novembro.