Espetáculos discutem preconceito e poder no Brasil

·2 minuto de leitura

RIO — No anseio de criticar as mazelas do convívio em sociedade, duas produções gratuitas on-line estarão em destaque este mês.

O projeto “Entre homens — Conectados e Por amor”, com direção de César Augusto, morador de Laranjeiras, traz duas pequenas peças, que estão no nome do projeto, para debater a disparidade e a luta pelos direitos LGBTs. Os artistas explorarão a polarização dos últimos anos e a necessidade de acolhimento nos casos de homofobia. “Conectados” será toda gravada. Já “Por amor” será toda conduzida ao vivo pelo ator, diretor e doutor em teatro Isaac Bernat, que atuará diretamente de sua casa, em Ipanema.

— Eu sinto que vai ajudar a abrir o olho de muita gente que talvez tenha um olhar neutro para as temáticas da peça — explica.

Em “Como devo chorá-los?”, o enredo parte do mito de Antígona, obra do dramaturgo grego Sófocles que questiona os limites do poder na sociedade. O elenco terá artistas como Chandelly Braz, Pedro Henrique Müller e Zahy Guajajara. A proposta, sob a direção de Marina Vianna, é discutir, por meio de teatro, performance, intervenção urbana, cinema e artes visuais, quais são os limites do poder no Brasil de hoje.

— A tragédia de Antígona ressoa de modo sinistro a violência sistêmica do Estado brasileiro contra as populações pobres, pretas e indígenas. A vida humana não tem valor diante das “necessidades da economia”. O Estado afirma seu poder de morte sobre as pessoas — diz Marina.

O projeto foi gravado durante a pandemia e tem a Zona Sul como cenário em diversos momentos, como o apartamento da atriz Chandelly Braz e o Parque Guinle, em Laranjeiras; o Cassino da Urca; e o Solar dos Abacaxis, no Cosme Velho.

“Entre homens — Conectados e Por amor” será transmitido amanhã, às 21h, pelo canal do YouTube Entre Homens Online. “Como devo chorá-los?” ficará em cartaz até o próximo dia 30, com sessões on-line pelo comodevochoralos.com.br.

SIGA O GLOBO-BAIRROS NO TWITTER (OGlobo_Bairros)