Esposa de Anderson Torres, preso, segue em cargo especial

Flávia trabalha no gabinete da liderança do Governo do DF

Anderson Torres foi preso pela Polícia Federal - Foto: REUTERS/Adriano Machado
Anderson Torres foi preso pela Polícia Federal - Foto: REUTERS/Adriano Machado
  • Esposa de Anderson Torres mantém cargo na Câmara Legislativa do Distrito Federal

  • Ela trabalha no gabinete da liderança do governo na Casa

  • Seu marido foi preso pela Polícia Federal no último fim de semana em Brasília

Esposa do ex-ministro da Justiça Anderson Torres, Flávia Sampaio Torres segue vinculada ao Governo do Distrito Federal com um cargo na Câmara Legislativa (CLDF), mesmo após a prisão do marido.

Flávia ocupa um cargo especial no gabinete da liderança do governo na Câmara, pelo qual recebe salário bruto de R$ 10.779,27, segundo informações divulgadas nesta segunda-feira (16) pelo portal g1.

A mulher foi nomeada em fevereiro de 2021 para o cargo, no qual trabalha para o representante responsável por defender os interesses do governo local.

Quando Flávia foi contratada, o líder do governo na Câmara era o deputado Hermeto (MDB). Atualmente, porém, o papel cabe ao deputado Robério Negreiros (PSD).

Segundo explicou Robério, Flávia está de férias e só retornará à função em 23 de janeiro. Anteriormente, ela era funcionária de carreira do Banco do Brasil, recebendo R$ 4,2 mil por mês.

A prisão de Torres

Anderson Torres foi detido pela Polícia Federal assim que desembarcou em Brasília no fim de semana, vindo dos Estados Unidos, onde estava desde os primeiros dias do ano.

Ministro da Justiça entre março de 2021 e dezembro de 2022, ele foi nomeado secretário de Segurança Pública do Distrito Federal pelo governador Ibaneis Rocha (MDB) após a derrota de Bolsonaro para Luiz Inácio Lula da Silva (PT) na eleição presidencial.

A ordem de prisão a Torres foi um pedido da PF e referendada pelo Supremo Tribunal Federal (STF), que entendeu que a atuação do secretário foi conivente e omissa em relação aos atos terroristas praticados em Brasília no último dia 8.

Como se organizaram os atos terroristas em Brasília? A linha do tempo interativa abaixo te mostra, clique e explore:

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.

Obras de arte foram destruídas, itens roubados e o prejuízo ainda é calculado pelas autoridades. Veja a lista completa de obras destruídas nos ataques. Até o fim da segunda (10), pelo 1.500 envolvidos no episódio já haviam sido presos.