Esposa de Dom Phillips acredita que não encontrará mais o marido com vida

O último contato de Alessandra com o marido Dom Phillips foi na quinta-feira (2) - Foto: JOAO LAET/AFP via Getty Images
O último contato de Alessandra com o marido Dom Phillips foi na quinta-feira (2) - Foto: JOAO LAET/AFP via Getty Images

Alessandra Sampaio, esposa do jornalista britânico Dom Phillips, diz que não tem mais esperanças de encontrar o marido vivo. Dom e o indigenista Bruno Pereira estão desaparecidos desde a manhã do último domingo (5), na Amazônia. Eles estavam em uma expedição entre a comunidade ribeirinha São Rafael até a cidade de Atalaia do Norte (AM) quando perderam o contato.

Em entrevista à GloboNews nesta quarta-feira (8), Alessandra falou da angústia que vive desde que soube, na segunda-feira (6), que Dom e Bruno não haviam retornado.

“É uma angústia de não saber o que ele está passando. Eu realmente não acho mais que ele e nem o Bruno… e eu estou tentando levar isso da melhor forma, porque acho que ele iria querer que eu fosse forte em uma situação dessa”, diz Alessandra.

A União dos Povos Indígenas do Vale do Javari (Univaja), informou que os dois profissionais desaparecidos se deslocavam com o objetivo de visitar a equipe de vigilância indígena que atua perto do Lago do Jaburu. O jornalista pretendia realizar algumas entrevistas com os habitantes daquela região.

Segundo relatos, o desaparecimento ocorreu durante o trajeto da comunidade Ribeirinha São Rafael à cidade de Atalaia do Norte. O último contato de Alessandra com o marido foi na quinta-feira (2).

"O último contato foi na quinta porque ele ia para um lugar que não tinha sinal de celular. Isso era bem comum acontecer nas viagens dele. Então ele me falou que me ligaria no domingo. Se não fosse domingo, seria na segunda, no máximo", disse a Alessandra.

De acordo com ela, na última conversa entre o casal, o marido estava tranquilo e avisou que ficaria sem ter como entrar em contato.

"Quando ele fazia esse tipo de viagem, ele tinha uma organização prévia muito detalhada. Ele me passava absolutamente todo o roteiro, todos os contatos. Sempre que ele conseguia contato comigo, ele me atualizava", contou, dizendo que era costume ela passar o dia todo com o celular na mão aguardando novidades.

Ela também relatou que o casal sabia que o trabalho era arriscado, mas que seu marido nunca recebeu ameaças diretas.

“A gente sabia que era um trabalho que, de alguma forma, tinha um risco. Não que ele estivesse diretamente com uma ameaça e tal, mas são lugares muito ermos", disse em lágrimas.

Alessandra, muito emocionada falou que deseja encontrar pelo menos o corpo de seu marido.

“Queria encontrar pelo menos o corpo dele para poder finalizar essa história de horror e passar para uma outra etapa. Essa angústia de não saber se estão implorando por ajuda é uma tortura, é muito difícil”, ressaltou.

O superintendente da Polícia Federal no Amazonas, Eduardo Alexandre Fontes, disse que não descarta nenhuma linha de investigação, inclusive a hipótese de homicídio, no caso do desaparecimento do indigenista Bruno Pereira e do jornalista inglês Dom Phillips.

Ao todo, segundo a Polícia Federal, 250 agentes e dois aviões atuam nas buscas. Bruno Pereira e Dom Phillips sumiram no domingo (5).

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos