Esposa de Rolando Boldrin publica homenagem ao apresentador morto aos 86 anos: 'Amor da minha vida'

Esposa de Rolando Boldrin, Patrícia publicou uma homenagem após o anúncio da morte do ator e apresentador, aos 86 anos. A foto escolhida foi uma do rosto do violeiro, em que foi feita uma intervenção digital com palavras marcantes ditas por ele ou que ele representava, como "vida", "viola", "marvada", entre outros. No texto, Patrícia escreveu sobre ter vivido os melhores momentos da vida ao lado dele.

"O Amor da minha vida voltou para casa. Foi o melhor ser humano que eu conheci. Sou grata por compartilhar com ele os melhores momentos da minha vida. Meu amor, vá em paz", escreveu.

Boldrin morreu na última quarta-feira, dia 9, aos 86 anos, em São Paulo. O ator, cantor, compositor e apresentador da TV Cultura estava internado no Hospital Albert Einstein há dois meses, mas a causa da morte não foi informada.

Com mais de 60 anos de carreira na TV, Rolando Boldrin apresentou o programa musical "Sr. Brasil" por 17 anos. Em nota, a TV Cultura exaltou o trabalho de Rolando:

"Ele tirou o Brasil da Gaveta' e fez coro com os artistas mais representativos de todas as regiões do país. Em seu programa, o cenário privilegiava os artesãos brasileiros e era circundado por imagens dos artistas que fizeram a nossa história, escrita, falada e cantada, e que já viajaram, muitos deles 'fora do combinado', conforme costumava dizer Rolando".

O SBT também emitiu uma nota de pesar.

"Nos deixa hoje Rolando Boldrin, o nosso “Sr Brasil”, sempre disposto a contar os melhores “causos” da cultura popular caipira, como ele mesmo gostava de dizer. O SBT lamenta profundamente a perda de Rolando Boldrin, e deseja que Deus conforte sua família neste momento", disse o comunicado.

Rolando Boldrin também fez carreira como ator. Atuou em mais de 30 novelas, como “O Direito de Nascer”; “As Pupilas do Senhor Reitor”; “Os Deuses Estão Mortos”; “Quero Viver”; “Mulheres de Areia”; “Os Inocentes”; “A Viagem”; “O Profeta”; “Roda de Fogo”; “Cara a Cara”; “Cavalo Amarelo” e “Os Imigrantes”.

Segundo nota da Fundação Padre Anchieta, ele dizia que era fundamentalmente um ator: "esse tem sido meu trabalho a vida inteira; radioator, ator de novela, de teatro, de cinema, um ator que canta, declama poesias e conta histórias”, dizia.

Na televisão, ainda apresentou os programas “Som Brasil” na Rede Globo, “Empório Brasileiro” na TV Bandeirantes e “Empório Brasil” no SBT. Na TV Cultura, esteve à frente do “Sr. Brasil” desde 2005.