Esquema entre Apple e Amazon é denunciado na Justiça americana

Apple e Amazon: Residentes dos Estados Unidos que compraram iPhones e iPads na Amazon desde janeiro de 2019 pedem a restituição dos valores e o fim do acordo entre as gigantes de tecnologia (Getty Creative)
Apple e Amazon: Residentes dos Estados Unidos que compraram iPhones e iPads na Amazon desde janeiro de 2019 pedem a restituição dos valores e o fim do acordo entre as gigantes de tecnologia (Getty Creative)
  • Amazon e Apple: acordo determinava que a gigante do e-commerce mantivesse apenas sete de 600 revendedores na plataforma;

  • Como a Amazon se tornou a revendedora dominante, a acusação aponta que os preços de iPhones e iPads subiram cerca de 10%;

  • Em ação coletiva, consumidores pedem a restituição dos valores e o fim do acordo entre as gigantes de tecnologia.

Um acordo entre Amazon e Apple, vigente desde janeiro de 2019, rendeu um processo às duas empresas no tribunal federal de Seattle, de acordo com a Reuters.

Segundo informações do portal IG, o acordo determinava que "a fabricante do iPhone concordasse em dar à Amazon descontos de até 10% em seus produtos, desde que a gigante do e-commerce mantivesse apenas sete de 600 revendedores na plataforma".

Como a Amazon se tornou a revendedora dominante, a acusação aponta que os preços de iPhones e iPads subiram cerca de 10% na plataforma, acabando com os descontos que era comuns quando a concorrência era maior.

Em ação coletiva, residentes dos Estados Unidos que compraram iPhones e iPads na Amazon desde janeiro de 2019 pedem a restituição dos valores e o fim do acordo entre as gigantes de tecnologia.

Em outubro, membros do Amazon Prime podiam garantir, com exclusividade, 12% na pré-venda do lançamento do iPhone 14 Plus.

Invasão de privacidade

Apesar de se posicionar publicamente como uma defensora da privacidade, a Apple pode estar rastreando os dados do usuário por meio de sua App Store. De acordo com as alegações de dois pesquisadores, o iOS envia um relatório detalhado sobre como os clientes da empresa interagem com os aplicativos na loja da Apple. Recentemente, a empresa foi questionada após mudar a sua política de exibição de anúncios.

De acordo com os pesquisadores de segurança cibernética identificado como Mysk, a Apple tem rastreado tudo o que o usuário toca na Apple Store. Um vídeo divulgado no Twitter mostra que esses dados são enviados em tempo real para a empresa por meio de um arquivo JSON. A Apple supostamente acompanha as atividades da App Store desde que a empresa lançou o iOS 14.6 em maio de 2021.