Esquerda francesa avança na criação de uma frente ampla para as legislativas

Olivier Marchais, filho do ex-secretário-geral comunista Georges Marchais, fala durante a coletiva de imprensa do ex-candidato presidencial do Partido Comunista Francês (PCF), Fabien Roussel, dedicada às eleições legislativas, na sede do Partido Comunista em Paris, em 28 de abril de 2022 (AFP/Thomas COEX) (Thomas COEX)

Os comunistas se uniram, nesta terça-feira (3), a uma frente ampla com os principais partidos de esquerda na França, na tentativa de tomar a maioria parlamentar do presidente liberal, Emmanuel Macron, nas eleições legislativas de junho.

O Partido Comunista Francês (PCF) alcançou um acordo com o partido de esquerda radical, França Insubmissa, semelhante ao alcançado com os ecologistas no domingo à noite. As negociações entre a LFI e o Partido Socialista (PS) continuam.

"Acordo entre a França Insubmissa e o PCF para as próximas eleições legislativas", anunciou o partido em sua conta no Twitter, depois que seu conselho nacional aprovou o pacto por 120 votos a favor, 25 contra e 13 abstenções.

Após os quase 22% de votos alcançados pelo esquerdista Jean-Luc Mélenchon (LFI), que terminou em terceiro em abril nas eleições presidenciais, os partidos de esquerda procuram agora unir-se para as eleições legislativas, marcadas para 12 e 19 de junho.

O objetivo é impedir uma maioria no Parlamento favorável a Macron, que foi reeleito em 24 de abril ao vencer a ultradireitista Marine Le Pen, e impedir suas reformas, como o retardamento da idade de aposentadoria de 62 para 65 anos, muito impopular entre os eleitores de esquerda.

Grande parte dos franceses, segundo duas pesquisas publicadas logo depois de sua reeleição, quer que o liberal perca a maioria no Parlamento, algo que conquistou em 2017 na câmara baixa, e que abriria o caminho para o que chamam de "coabitação".

A França já viveu esse modelo de governo no passado. Em 1997, Jacques Chirac nomeou como primeiro-ministro o socialista Lionel Jospin. O presidente conservador ocupou esse mesmo cargo anteriormente entre 1986 e 1988 de seu antecessor socialista, François Mitterrand.

Jospin chegou ao cargo de primeiro-ministro após uma aliança de partidos em uma "esquerda plural", liderada por ele, em que participaram os ecologistas, comunistas e o Partido Radical de Esquerda (PRG).

A atual "Nova União Popular", caso seja concluída, será liderada por Mélenchon, especialmente quando o resto dos partidos obtiveram menos de 5% dos votos na eleição presidencial. O último obstáculo é o PS, com o qual as discussões continuam.

O negociador do LFI, Manuel Bompard, revelou nesta terça-feira que as últimas divergências são sobre pontos do programa político, mas "essencialmente" sobre a distribuição dos círculos eleitorais, uma questão fundamental quando o sistema eleitoral francês é de voto uninominal em dois turnos.

tjc/mb/gf/mr

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos