Esquerda nunca praticou 10% da violência da extrema-direita, diz Lula

*Arquivo* SÃO PAULO, SP, 07.10.2022 - O presidente eleito Luiz Inácio Lula da Silva (PT).  (Foto: Mathilde Missioneiro/Folhapress)
*Arquivo* SÃO PAULO, SP, 07.10.2022 - O presidente eleito Luiz Inácio Lula da Silva (PT). (Foto: Mathilde Missioneiro/Folhapress)

LISBOA, PORTUGAL (FOLHAPRESS) - Em discurso para representantes da comunidade brasileira em Portugal, o presidente eleito Luiz Inácio Lula da Silva (PT) alertou para a violência inédita provocada pelos grupos que contestam o resultado legítimo das eleições.

"Tem um processo no Brasil que a gente não conhecia, que é o processo da violência da extrema-direita. Eu nunca vi a esquerda praticar 10% da violência que a extrema-direita está fazendo no Brasil. Nunca vi", afirmou.

Lula destacou, no entanto, que o direito à manifestação pacífica faz parte da democracia. "A democracia não é um pacto de silêncio em que a pessoa não pode falar. A democracia é uma sociedade em movimento", disse.

O petista aproveitou para brincar com a presença de um pequeno grupo de bolsonaristas que realizou protestos nas imediações de todos os locais em que houve agenda oficial. "A democracia aqui é tão grande que tem até um grupo de bolsonaristas gritando."

Lula pediu, porém, que seus apoiadores não caiam em provocações de bolsonaristas.

"Vamos derrotá-los sem usar contra eles os métodos que eles utilizaram contra nós. A gente não quer perseguição, a gente não quer violência. O que a gente quer é um país que viva em paz", concluiu.

O encontro, que reuniu cerca de 300 representantes de movimentos sociais e políticos na manhã deste sábado (19), foi o último compromisso de Lula em Lisboa, onde permaneceu por cerca de 24 horas após participar da COP27 no Egito.

O presidente eleito falou para um auditório majoritariamente vestido de vermelho, com representantes de organizações tão diversas quanto o Núcleo do PT em Lisboa, a ONG de apoio a imigrantes Casa do Brasil e o bloco de Carnaval Colombina Clandestina.

Segundo maior colégio eleitoral no exterior, atrás apenas dos Estados Unidos, Portugal deu uma vitória expressiva a Lula, que ganhou nas três cidades onde houve votação.

Na sexta-feira, Lula foi recebido praticamente como chefe de Estado pelo presidente português, Marcelo Rebelo de Sousa, e pelo primeiro-ministro, António Costa.

Em declarações após o encontro com o premiê socialista, o presidente eleito do Brasil afirmou que pretende reafirmar os laços com o país europeu, que na prática foi pouco prestigiado pela política externa de Jair Bolsonaro (PL), não visitou Portugal durante o mandato.