Esquerdista Castillo lidera pesquisa para segundo turno das presidenciais no Peru

·3 minuto de leitura
Montagem com fotos dos candidatos ao segundo turno das eleições presidenciais no Peru, Pedro Castillo (E), do partido Perú Libre, e Keiko Fujimori (D), do Fuerza Popular

O candidato esquerdista Pedro Castillo supera nas intenções de voto a direitista Keiko Fujimori para o segundo turno presidencial de 6 de junho no Peru, segundo uma pesquisa divulgada neste domingo (30).

Castillo, professor de escola rural, concentra 42% das intenções de voto, enquanto Keiko Fujimori, filha do detido ex-presidente Alberto Fujimori, soma 40% das preferências do eleitoral, destaca a pesquisa do instituto Ipsos, publicada no jornal El Comercio, a uma semana do segundo turno, em 6 de junho.

Dez por cento votariam em branco ou nulo e 8% não informaram sua opção eleitoral na consulta, a quarta realizada pelo Ipsos desde o primeiro turno, em 11 de abril.

Castillo subiu dois pontos percentuais e Fujimori também subiu três pontos em comparação com a pesquisa realizada em 16 de maio.

"A redução da distância entre os dois candidatos vem ocorrendo por uma estagnação do apoio a Castillo e um lento avanço do apoio a Fujimori", explicou o diretor do Ipsos, Alfredo Torres, ao jornal El Comercio.

"O debate presidencial (deste domingo) será, sem dúvida, muito relevante para os indecisos, mas também o será a capacidade que os candidatos mostrarem de reduzir a desconfiança que geram nestes eleitores", acrescentou.

O instituto de pesquisas entrevistou 1.517 pessoas em 28 de maio, com margem de erro de 2,5%.

A pesquisa foi divulgada horas antes do último debate entre os dois candidatos, que começou às 19H00 locais (21h de Brasília) na cidade de Arequipa (cerca de 1.000 km ao sul de Lima), a segunda do Peru.

"Venho com as mãos limpas, sou um homem de trabalho, um homem de fé, um homem de esperança. Mentira é o que dizem que vamos tirar o teu comércio, que vamos tirar a tua casa, tua propriedade", disse Castillo no início do debate, organizado pelo Jurado Nacional de Eleições.

"Venho propor uma mudança, uma mudança com esperança, uma mudança para a frente", afirmou Fujimori, que mostrou uma pedra e acusou Castillo que incentivar a violência durante a campanha eleitoral.

Os dois chegaram ao local acompanhados de membros de suas equipes técnicas. Ela vestia blazer branco e ele, seu tradicional chapéu de copa alta, típico de Cajamarca (norte), onde nasceu, e casaco branco com a palavra Peru estampada.

"Sem dúvida é uma oportunidade para os dois candidatos fazermos conhecer com abrangência nossas propostas e planos de governo a todos os cidadãos", disse Fujimori ao chegar à universidade.

A lei eleitoral proíbe a divulgação de pesquisas em território peruano a partir da segunda-feira até a realização das eleições.

Castillo, candidato do partido Perú Libre, venceu o primeiro turno com 18,92% dos votos, enquanto Keiko Fujimori, do Fuerza Popular, chegou em segundo, com 13,40%, segundo o Jurado Nacional de Eleições (JNE).

Fujimori, de 46 anos, defende o livre mercado, enquanto Castillo, de 51, apoia um papel ativo do Estado na economia, inclusive com nacionalizações.

Apesar das suas diferenças, os dois candidatos coincidem em alguns temas: são antiaborto, defendem a família tradicional, não dão importância aos direitos da comunidade LGTBI e rejeitam a abordagem de gênero nas escolas.

O próximo presidente deve assumir o cargo em 28 de julho, em substituição ao presidente interino Francisco Sagasti e terá como desafio terminar com a fragmentação e a instabilidade política do último quinquênio.

cm/yo/yow/mvv