Está difícil fazer o dinheiro durar o mês todo? Veja como economizar na conta de luz

·6 minuto de leitura

De uns tempos para cá, está difícil fazer o dinheiro render o mês inteiro. Os preços dos alimentos subiram consideravelmente; com a bandeira vermelha de energia elétrica no patamar 2 ainda mais alta, a conta de luz ficou caríssima; e até o gás usado para cozinhar está nas alturas: em alguns lugares do Rio, o botijão já passa dos R$ 100. A situação é ainda mais complicada para os trabalhadores que perderam seus empregos durante a pandemia de Covid-19 e para os autônomos que dependem do pagamento do auxílio emergencial, hoje entre R$ 150 e R$ 375. Diante de todo esse aperto, o que podemos fazer? Segundo especialistas, a dica para restringir ainda mais os gastos mensais e “esticar” o dinheiro é tentar reorganizar as contas de consumo, como água, energia, internet e celular. Até quinta-feira, o EXTRA publica uma série de matérias com dicas para os leitores.

Eduardo Amendola Camara, economista e professor da Estácio, sugere aumentar o uso da luz natural em casa, desligar eletrodomésticos em stand-by ou mesmo ajustar a temperatura de equipamentos com maior consumo de energia, como chuveiro elétrico, geladeira ou aparelho de ar-condicionado.

— Na prática, algumas medidas como limpar filtros de aparelhos de ar-condicionado e observar a manutenção da vedação da borracha da geladeira podem exigir algum trabalho, e custo adicional, mas poderão gerar uma redução efetiva da conta e o aumento da vida útil destes equipamentos — analisa.

Quem acha que investir em um novo aparelho mais econômico é boa estratégia pode não levar tanta vantagem. Camara afirma que, como as etiquetas de eficiência energética das geladeiras, por exemplo, não são revisadas pelo Inmetro desde 2006, não é possível encontrar um refrigerador realmente eficiente no mercado.

Hoje, o Brasil tem 62,56 milhões de inadimplentes, de acordo com dados da Serasa. A segunda principal razão para o endividamento são as contas de consumo não pagas (22,3%), atrás somente das dívidas com bancos e cartões de crédito e de lojas (29,7%). Mauro Rochlin, economista e professor dos MBAs da Fundação Getulio Vargas (FGV), considera difícil renegociar com as concessionárias. Para não ficar sem o serviço, ele recomenda tentar um empréstimo com um amigo ou um parente, a juros mais baixos. Se não for possível, ele sugere uma pesquisa para descobrir as taxas mais atrativas.

— Antes de recorrer ao empréstimo, porém, é válido fazer uma planilha financeira para saber se há gastos supérfluos que possam ser cortados — diz o especialista.

Desde 2018, os clientes de todas as distribuidoras de energia do Brasil passaram a contar com a opção da Tarifa Branca. Comparada à convencional, essa forma de cobrança pode resultar em redução na conta de luz se o consumidor conseguir deslocar o consumo — ou a maior parte dele — para fora dos horários de pico. Nesse período, a tarifa branca equivale a 0,88 vezes o valor da convencional.

Para os clientes Light, é vantajoso em lares que têm maior consumo de energia das 22h30 às 17h30 do dia seguinte. Já para os da Enel, entre 22h e 16h do dia posterior. Sábado, domingo e feriados nacionais também são considerados horários fora de ponta.

Se não for o caso, ao invés de se beneficiar com a mudança, a família pode pagar uma conta maior: a tarifa branca é 1,83 vezes mais cara do que a convencional no horário de pico. Por isso, é importante fazer uma análise cautelosa antes de decidir. A adesão só pode ser solicitada pelo titular, mediante assinatura de termo de compromisso.

Ainda é possível economizar de outras formas: há programas de eficiência energética que oferecem descontos com alguma contrapartida. Um deles é o Ecoenel, por meio da troca de resíduos recicláveis. Nos últimos dois anos, cerca de 27 mil clientes da Enel destinaram mais de 2,7 mil toneladas de resíduos recicláveis e foram beneficiados com mais de R$ 1 milhão em bônus na conta de energia.

Consumidores de baixa renda têm direito a descontos cumulativos na conta de luz que podem chegar a 65%, por meio da chamada Tarifa Social de Energia Elétrica (TSEE). Para ter acesso ao benefício, é preciso cumprir pelo menos um dos seguintes requisitos: ser família inscrita no Cadastro Único para Programas Sociais do Governo Federal (CadÚnico), com renda familiar mensal menor ou igual a R$ 550 por pessoa; ser idoso com mais de 65 anos ou pessoa com deficiência que receba o Benefício de Prestação Continuada da Assistência Social (BPC); ter parente que faça tratamento com uso continuado de aparelhos que demandem consumo de energia, desde que a unidade familiar possua renda total de até R$ 3.300 e esteja inscrita no CadÚnico.

Atualmente, a Light possui 505 mil famílias cadastradas na Tarifa Social. Para não perder o benefício, além de atender aos critérios estabelecidos por lei, é preciso manter atualizadas as informações referentes ao benefício junto ao Centros de Referência de Assistência Social (CRAS).

Os interessados devem entrar em contato com a concessionária apresentando o Número de Identificação Social (NIS) ou do Benefício de Prestação Continuada da Assistência Social (BPC). Essas informações podem ser encontradas no CRAS e no INSS respectivamente. Para a parcela do consumo de energia elétrica inferior ou igual a 30 kWh/mês, o desconto aplicado é de 65%; entre 31 kWh/mês e 100 kWh/mês, é de 40%; entre 101 kWh/mês e 200 kWh/mês, o abatimento é de 10%.

Em virtude da pandemia, a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) prorrogou até 30 de setembro a decisão de suspender o corte de energia por inadimplência dos consumidores de baixa renda em todo o Brasil. Para os demais, o advogado de Direito do Consumidor Daniel Blanck explica que o corte só pode ser feito em caso de inadimplência por mais de 90 dias e com duas contas em atraso, mas os consumidores devem ser avisados com 15 dias de antecedência e em horário comercial. Já após o pagamento, o prazo para retorno do serviço é de, no máximo, 24 horas em áreas urbanas.

— Se a energia não for religada, o cliente pode procurar órgãos de defesa do consumidor ou ajuizar ação, exigindo a reparação de danos materiais e morais pela falha — diz Blanck.

A Enel Distribuição Rio tem realizado diversas campanhas de parcelamento, oferecendo condições especiais para que os clientes possam regularizar as contas em aberto com a empresa. No momento, o cliente pode renegociar suas contas atrasadas e fazer o pagamento em até dez vezes com 1% de juros no financiamento e entrada de 10%.

Já clientes Light que desejarem condições mais favoráveis para pagar a conta podem entrar em contato pelo e-mail negociacaolight@light.com.br. Quem tiver pelo menos duas contas não pagas pode solicitar parcelamento em até 12 vezes, porém o sinal deve ser pago até o primeiro dia útil seguinte à data da efetivação do acordo.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos