Estátua de Ayrton Senna, em Copacabana, ganha máscara em ação de conscientização

Diego Amorim

Após uma ação da prefeitura colocar máscaras em mais de 40 monumentos da cidade como forma de conscientização pelo uso do acessório de prevenção contra a Covid-19, dessa vez foi a vez do ídolo brasileiro Ayrton Senna "vestir" o equipamento. A estátua do tricampeão de Fórmula 1, no Calçadão de Copacabana, Zona Sul, entrou para o time daqueles que destacam a importância do item.

A ação é da agência online de viagens Hurb, responsável pela colocação da estátua de 330 quilos de bronze e com 1,76 metro na praia em dezembro do ano passado.

— No atual cenário que estamos vivendo, é preciso mobilizar cada vez mais pessoas para a necessidade da proteção. E por que não proteger um ídolo de várias gerações como forma de incentivar e de estimular que cada vez mais pessoas façam uso das máscaras? — ressalta o cofundador e diretor comercial da empresa, Antônio Gomes.

No último dia 12, a Alerj aprovou o projeto de lei que obriga o uso das máscaras  em todos os 92 municípios fluminenses, com previsão de multa para pessoas físicas e empresa que descumprirem a regra. A obrigatoriedade do item valerá para locais coletivos públicos ou privados, como ruas, praças, parques, praias, meios de transporte coletivo e individual de passageiros, repartições públicas, hospitais, supermercados, farmácias, padarias, agências bancárias, além de outros estabelecimentos comerciais.

Em abril, as máscaras foram colocadas em estátuas que homenageiam personalidades e nas que são cartões-postais, como os bustos de Zumbi dos Palmares (no Centro) e Padre Miguel (na Zona Oeste), e as estátuas de Bellini (em frente ao Maracanã), Cartola (na Mangueira, na Zona Norte) e Carlos Drummond de Andrade (na orla da Zona Sul). Os acessórios colocados nos monumentos foram feitos de TNT (material semelhante a tecido, obtido através de liga de fibras) e permanecerão nas estátuas por dez dias.