'Estão querendo arrumar um culpado, um Cristo', diz Castro sobre morte de menina atingida por carro alegórico

·2 min de leitura

Ao chegar à Marquês de Sapucaí na noite desta sexta-feira para os desfiles do grupo especial, o governador do Rio, Cláudio Castro, lamentou o acidente que causou a morte da menina Raquel Antunes da Silva, de 11 anos. Ela ficou presa entre um carro alegórico e um poste na dispersão da escola Em cima da hora, primeira a entrar na Avenida pela Série Ouro, e acabou não resistindo aos ferimentos na tarde desta sexta.

— Não tem como a gente não se sensibilizar e deixar solidariedade à família — afirmou Castro, que comentou também a informação divulgada pelo Corpo de Bombeiros sobre a falta de autorização para que a maior parte das agremiações da Série Ouro entrasse na Sapucaí, incluindo a própria Em cima da hora: — As escolas que não apresentaram alvará foram devidamente notificadas, e a Liga também. Tem que ver se houve algum problema e, se tiver, elas podem responder cível e criminalmente.

— Essa é uma questão de operação, e a operação do carnaval é da prefeitura, assistida por nós. Nunca fico fazendo jogo de empurra. Estão querendo arrumar agora um culpado, um Cristo — disse o governador.

O carro alegórico envolvido na morte da menina foi apreendido, e a Polícia Civil investiga o caso. O governador, que voltou nesta quinta de viagem a Portugal e comparece à Sapucaí pela primeira vez no carnaval, reconheceu que a operação precisa ser aprimorada nos próximos anos. Em seguida, porém, ele voltou a citar a responsabilidade da prefeitura, dizendo que o governo atuará "conforme precisarem da nossa ajuda".

Castro chegou ao camarote do governo do estado por volta das 21h45 desta sexta. Com sapato branco, o governador disse, com bom humor, que não tem "muito samba no pé", mas que pretende aproveitar os desfiles, em especial o da Mangueira.

Nesta sexta-feira, na dispersão da Imperatriz Leopoldinense, primeira escola do Grupo Especial a desfilar, integrantes da própria agremiação faziam a escolta dos carros que deixavam a Sapucaí, tal qual o determinado pela Justiça. Dezenas de homens da equipe de apoio e de segurança da Imperatriz acompanhavam os veículos após o fim da passagem da escola.

— Tivemos orientação da escola para guiar os carros para não acontecer o que aconteceu com a menina na quarta-feira — contou um dos funcionários da escola que escoltava os veículos.

Equipes da Polícia Militar e da Guarda Municipal também observavam a movimentação na saída do Sambódromo. O reforço no policiamento foi mais uma medida imposta pela Justiça.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos