Estacionamento no parque do Ibirapuera, em SP, vai custar de R$ 10 a R$ 12

FÁBIO PESCARINI
·1 minuto de leitura
*ARQUIVO* SÃO PAULO, SP, BRASIL, 02-11-2020 - Movimento no Parque do Ibirapuera, em São Paulo. (Foto: Eduardo Anizelli/ Folhapress)
*ARQUIVO* SÃO PAULO, SP, BRASIL, 02-11-2020 - Movimento no Parque do Ibirapuera, em São Paulo. (Foto: Eduardo Anizelli/ Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O sistema de cobrança para estacionamento no parque Ibirapuera (zona sul da capital paulista) vai mudar. O usuário não irá mais pagar zona azul, ou seja por hora, mas um valor único, sem limite de tempo diário, para deixar seu veículo no local.

A mudança no sistema de cobrança do estacionamento faz parte da concessão do parque à iniciativa privada, em vigor desde o mês passado.

Segundo o grupo Indigo, que está à frente da administração do estacionamento do Ibirapuera, o usuário pagará R$ 10, de segunda à sexta, Já aos sábados, domingos e feriados, o preço sobe para R$ 12. Haverá uma tolerância de 15 minutos.

A mudança da zona azul, que custa R$ 5 a hora na cidade de São Paulo, para o modelo terceirizado, começou nesta quarta-feira (4), mas ainda não está sendo feita a cobrança. Por meio de assessoria de imprensa, a Indigo não disse quando os frequentadores do parque começarão a pagar para estacionar.

Segundo a empresa, serão oito pontos de autoatendimento para pagamento com cartão bancário, nos portões 1, 2, 3 e 7, e um ponto de atendimento para pagamento em dinheiro e cartão, no - localizado no portão 3. O estacionamento irá funcionar sempre de acordo com os horários de funcionamento do Ibirapuera --atualmente de 5h à meia-noite.

A concessão do Ibirapuera para a empresa Urbia começou no mês passado. A concessionária será responsável pela gestão do espaço pelos próximos 35 anos.

Outros parques municipais que foram concedidos recentemente à iniciativa privada pela gestão Bruno Covas (PSDB) são Tenente Brigadeiro Faria Lima (zona norte) e Lajeado (zona leste).