Estado da União: o balanço de 2022 e a antevisão de 2023

Nesta edição do Estado da União fazemos o balanço do ano que agora acaba e antevemos o que está prestes a começar.

Embora, como disse um famoso filósofo, seja difícil fazer previsões, especialmente sobre o futuro, quando se trata da guerra na Ucrânia, não é preciso ser filósofo ou vidente para antecipar mais combates e sofrimento humano, com consequências para a economia e a política energética europeias, mas como estas consequências se vão manifestar é mais difícil dizer...

Paolo Gentiloni, comissário europeu para os Assuntos Económicos e Financeiros, que normalmente não mede as palavras, foi muito cuidadoso ao falar recentemente sobre as perspetivas de crescimento. Manteve ainda um pouco de otimismo: "Se não formos capazes de acabar com a guerra, os riscos de energia no próximo inverno, não neste, mas no próximo inverno podem ser ainda piores do que os que estamos a enfrentar agora. Portanto, temos um panorama misto para a totalidade de 2023. No segundo semestre de 2023, teríamos uma situação melhor do que agora."

Se há uma instituição que é otimista por definição em relação ao futuro é a Agência Espacial Europeia.

Há algumas semanas, a Agência Espacial Europeia adotou um orçamento recorde de três anos para financiar os seus projetos, quase 17 mil milhões de euros, a transbordar entusiasmo e espírito de realização.

A agência também anunciou cinco novos astronautas de carreira, escolhidos entre mais de 22 mil candidatos.

Também em Bruxelas, há exemplos de jovens inspiradores que entram na política porque querem melhorar a vida das pessoas e trabalhar para um futuro melhor. Kira Marie Peter-Hansen da Dinamarca, nascida em 1998, é a política mais jovem já eleita para o Parlamento Europeu. Stefan Grobe entrevistou-a.

(Veja a entrevista na íntegra no vídeo)