Estado da Virgínia Ocidental processa fabricantes de opiáceos nos EUA

·2 minuto de leitura
Comprimidos de oxidocona são amplamente prescritos como um analgésico, mas são altamente viciantes

Fabricantes e distribuidores de medicamentos dos Estados Unidos enfrentam demandas judiciais de milhões de dólares por incentivo ao vício em opiáceos em um julgamento inciado nesta segunda-feira (3) na Virgínia Ocidental, um dos estados mais devastados por esta epidemia.

Grandes empresas, incluindo Purdue Pharma - a pioneira na falência da OxyContin -, a cadeia de distribuição AmerisourceBergen e a rede de farmácias CVS, são acusadas pela cidade de Huntington e seus condados vizinhos de despejar analgésicos altamente viciantes no estado e alimentar o vício generalizado e overdoses que ainda persistem.

Mais de 400.000 pessoas morreram de overdose nos Estados Unidos desde o início de 2000, quando fabricantes de medicamentos prescritos, como oxicodona e hidrocodona, começaram a ser vendidos em farmácias com pouco controle. O estado da Virgínia Ocidental tem a maior taxa de dependência do país, e as mortes por overdose são quase três vezes a taxa nacional.

"Entre 2006 e 2014, os fabricantes e distribuidores de opioides prescritos inundaram o estado da Virgínia Ocidental com 1,1 bilhão de pílulas de oxicodona e hidrocodona", afirma o processo.

Com mais de 3.000 ações semelhantes ajuizadas no país, a Huntington's tornou-se o foco dos esforços para fazer as empresas pagarem pelos custos sociais e médicos da epidemia de dependência.

Uma ação movida em Cleveland, Ohio, não conseguiu encaminhar a um acordo judicial nacional e o foco mudou para Huntington.

No caso de Cleveland, os principais réus - McKesson Corp., AmerisourceBergen, Cardinal Health e Teva Pharmaceuticals - chegaram a um acordo com os demandantes para conceder 260 milhões de dólares a dois condados.

Esse acordo evitou que um juiz federal aceitasse o caso, que poderia ter sido um modelo para ações judiciais de outras cidades, condados e grupos indígenas americanos.

Os valores reclamados eram da ordem de dezenas de milhões de dólares. Fabricantes e redes de farmácias acusam os médicos de prescrever excessivamente esses remédios, o que, por sua vez, criou um mercado negro que funcionou por 15 anos, até o início de 2015.

O governo federal processou, prendeu ou multou centenas de médicos, farmácias e fabricantes por seus escassos controles sobre a venda de opiáceos. Desde o aperto no controle dos opiáceos legais, muitos de seus dependentes recorreram à heroína e ao fentanil ilegais, o que prolongou a epidemia e piorou o quadro com os confinamentos ordenados pela covid-19.

A agência de controle de doenças dos Estados Unidos estimou que cerca de 90.000 pessoas morreram de overdose no ano passado, das quais quase três quartos foram atribuídas aos opiáceos.

pmh/st/gm/rs/jc