Espanha acredita que desarmamento do ETA é operação para esconder sua derrota

Madri, 8 abr (EFE).- O governo da Espanha considera que o desarmamento encenado neste sábado pelo grupo terrorista ETA no sul da França não é mais que uma "operação midiática" com o objetivo de "dissimular sua derrota".

Em comunicado, o Executivo comandado por Mariano Rajoy se recusou a fazer uma avaliação sobre o armamento entregue hoje pelo ETA até que este seja analisado pelas autoridades e pela Justiça francesa, de acordo com a legalidade vigente.

Na cidade de Bayonne, no sul da França, os mediadores no desarmamento do grupo terrorista basco informaram que forem entregues ao Comitê Internacional de Verificação (CIV) as "coordenadas de oito lugares onde se encontra o arsenal do ETA", integrado por 120 armas de fogo, três toneladas de explosivos e milhares de munições e detonadores.

O governo espanhol voltou a insistir que os "etarras" (integrantes do ETA), que deixaram de realizar atentados há cinco anos, não podem esperar nenhum tratamento de agradecimento, e "muito menos impunidade para seus crimes".

As autoridades espanholas consideram que o grupo terrorista está "derrotado operativamente, sem futuro e com seus líderes na prisão".

"A única resposta lógica para esta situação é anunciar sua dissolução definitiva, pedir perdão às vítimas e desaparecer, ao invés de montar operações midiáticas para dissimular sua derrota e tentar conseguir ganhos políticos", frisou o governo espanhol na nota.

O grupo terrorista ETA teve uma trajetória de mais de meio século de violência, com pelo menos 856 assassinatos, dezenas de sequestros e extorsão a vários empresários para arrecadar fundos. EFE