Estado Islâmico reivindica ataque de Cambrils

Polícia da Catalunha em área isolada de Barcelona após o ataque de 17 de agosto

O grupo extremista Estado Islâmico Islâmico (EI) reivindicou neste sábado o ataque no balneário catalão de Cambrils (nordeste da Espanha), onde um carro atropelou várias pessoas no calçadão antes de bater em uma viatura da polícia.

O EI, que já havia reivindicado o atentado de Barcelona (13 mortos) executado algumas horas antes da ação em Cambrils, afirmou que "dois esquadrões de jihadistas" realizaram os ataques que tinham como alvos "grupos de cruzados", segundo um comunicado divulgado pela Amaq, a agência de propaganda do grupo extremista.

"Um primeiro esquadrão de jihadistas utilizou um veículo contra um grupo de cruzados no bairro de Las Ramblas em Barcelona [...] depois de ter atacado com armas um bar perto das Ramblas", afirma o grupo no texto.

"Um segundo esquadrão atropelou cruzados com um carro na cidade de Cambrils", completa o texto.

Na quinta-feira à tarde, uma van atingiu ao longo de mais de 500 metros os pedestres na avenida central de Las Ramblas, no coração turístico de Barcelona, deixando pelo menos 13 mortos e 120 feridos. O motorista fugiu a pé.

Oito horas depois do ataque de quinta-feira, um Audi A3 avançou contra várias pessoas em Cambrils, 120 km ao sul de Barcelona.

A polícia matou os cinco homens que estavam no carro. Alguns deles usavam falsos coletes de explosivos.

Seis civis e um policial ficaram feridos no ataque e uma mulher faleceu algumas horas depois em consequência dos ferimentos.