Estado Islâmico reivindica ataque que matou 37 soldados na Síria

·1 minuto de leitura
(30 dez) O ataque ocorreu na província síria de Deir Ezzor

O grupo jihadista Estado Islâmico (EI) reivindicou nesta quinta-feira a autoria do ataque da véspera contra um ônibus que causou a morte de 37 soldados do Exército sírio, anunciou a agência americana Site, especializada na vigilância dos grupos jihadistas.

"Os soldados do califado (EI) armaram uma emboscada contra um ônibus que transportava soldados do Exército dos renegados", informa um comunicado da agência de propaganda do EI, reproduzido pela Site. Os jihadistas "os atacaram com armas pesadas e usaram múltiplos artefatos explosivos, o que provocou a destruição do ônibus e a morte de cerca de 40 pessoas, além de outros feridos", assinala o texto.

O Observatório Sírio para os Direitos Humanos (OSDH), que já havia atribuído a autoria do ataque ao grupo jihadista, informou ontem que 37 soldados haviam morrido e outros 12, ficado feridos no ataque, ocorrido na província de Deir Ezzor. A agência de notícias oficial Sana, por sua vez, referiu-se a um "ataque terrorista" contra um ônibus que matou 25 cidadãos e deixou 13 feridos.

Após ter autoproclamado seu califado em 2014 em algumas partes do território sírio e iraquiano, o EI sofreu uma derrota atrás da outra antes de perder o controle da maioria de seus territórios na Síria em março de 2019.

Apesar da derrota, grupos jihadistas continuam cometendo atentados contra soldados do exército sírio ou das milícias curdas na província central de Homs ou na de Deir Ezzor, na fronteira com o Iraque.

elm/feb/eb/lda/mvv/lb