Estado do Rio é condenado por morte de feto em hospital na Baixada Fluminense

·1 minuto de leitura

O estado do Rio de Janeiro foi condenado a pagar indenização por danos morais no valor de R$ 50 mil à mãe de um feto de oito meses que morreu por erro no atendimento médico no Hospital Estadual Adão Pereira Nunes, em Duque de Caxias. A decisão foi dos desembargadores da 20ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Rio.

A mãe procurou a unidade já em trabalho de parto, mas acabou perdendo o bebê antes do seu nascimento. Segundo a perícia, houve falha na ausculta dos batimentos cardíacos do feto.

O hospital alegou que não havia provas que apontassem a conduta culposa dos médicos que realizaram o atendimento. Já o laudo pericial comprovou que a pesquisa de vitalidade fetal não foi realizada, pois o aparelho estava danificado, e que a gestante permaneceu por 27 horas sem ausculta para avaliação, não tendo sido realizada a ausculta dos batimentos manualmente, ficando provado o descaso do atendimento médico.

Segundo o perito, a ausência de pesquisa da vitalidade fetal em um caso de ameaça de parto prematuro não está compatível com a literatura médica vigente.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos