Estado do Rio registra nova alta na média móvel de mortes por Covid-19, mas secretaria volta a citar 'data de notificação'

·3 minuto de leitura

Os números divulgados pelo consórcio de veículos de imprensa apontaram, pelo quarto dia consecutivo, uma aceleração na média móvel de mortes por Covid-19 no estado do Rio. Nos últimos sete dias, foram computados 132 óbitos pela doença em solo fluminense, o que representa uma alta de 22% em relação à estatística de duas semanas atrás, indicando uma tendência de crescimento. Desde 27 de julho, o estado registrou seis dias de aumento na média móvel de mortes, e apenas um de estabilidade. Já no total de casos, 2.652 em uma semana, houve variação de 8%, o que é considerado uma tendência de estabilidade.

A Secretaria estadual de Saúde (SES), contudo, voltou a afirmar, nesta segunda-feira, que utiliza os dados de ocorrência do óbito, e não da notificação, para monitorar a situação da pandemia no Rio. "Observar apenas os casos por data de notificação pode gerar distorções nas informações, uma vez que casos antigos, que demoraram a ser informados, acabam sendo contabilizados juntos", diz a nota enviada pela pasta. O texto continua: "Outros parâmetros monitorados pela SES para o acompanhamento do cenário atual são o número de atendimentos nas UPAs e a taxa de positividade dos exames para Covid-19".

De acordo com a SES, houve 14 mil atendimentos por casos do novo coronavíus nas 30 UPAs do estado. Em julho, ainda segundo o órgão, esse número caiu para 12.705, o que significa uma redução de 9% na média mensal de atendimentos. A pasta frisou também que a 41ª edição do Mapa de Risco da Covid-19, divulgada na última sexta-feira, indicou uma queda de 27% nos óbitos ocasionados pela Covid-19. Do mesmo modo, acrescenta a secretaria, "as internações por síndrome respiratória aguda grave (SRAG) caíram 18% na comparação entre as semanas epidemiológicas 28 (de 11 a 17 de julho) com a 26 (27 de junho a 03 de julho) de 2021".

Por fim, a SES cita as taxas de ocupação hospitalar na rede do Rio, estabilizada em 56% para leitos de UTI exclusivos para a doença e em 38% para as vagas de enfermaria. "Com os indicadores reduzidos, o estado segue – pela terceira semana consecutiva - com a classificação de bandeira amarela, ou seja, de baixo risco de contrair a doença", conclui a pasta.

Nesta segunda-feira, conforme divulgou o consórcio de imprensa, apenas três estados registraram alta na média móvel de mortes por Covid-19 — Amapá e Roraima, além do Rio de Janeiro. Nos números da véspera, o Rio havia sido o único estado com tendência de aumento nos óbitos do Brasil, que vem alcançando, nos dados gerais, uma movimentação inversa: foi a terceira vez consecutiva em que o país ficou abaixo das mil mortes diárias pela doença.

A “média móvel de 7 dias” faz uma média entre o número do dia e dos seis anteriores. Ela é comparada com a auferida duas semanas atrás para indicar se há viés de alta, estabilidade ou queda dos casos e das mortes. O cálculo é um recurso estatístico para conseguir enxergar a tendência dos dados, abafando, por exemplo, o "ruído" causado pelos fins de semana, quando a notificação de mortes se reduz por escassez de funcionários em plantão.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos