Estado vai distribuir mais 131 mil doses de vacina aos 92 municípios do Rio até esta quinta-feira

Felipe Grinberg
·2 minuto de leitura

A Secretaria estadual de Saúde começou a distribuir nesta terça-feira (9) uma nova remessa de vacinas contra a Covid-19 aos 92 municípios fluminenses. Ao todo, serão 131.110 doses da CoronaVac. O mesmo número de frascos ficará retido no depósito do governo estadual, para que seja garantida a segunda dose. A bula do produto prevê um intervalo entre as duas aplicações de 14 a 28 dias. No estado, já foram vacinadas 270 mil pessoas contra o coronavírus.

Os primeiros lotes foram enviados nesta terça-feira para a capital (50 mil), Niterói (5.670) e São Gonçalo (8.200). Maricá deve receber nesta quarta-feira as doses destinadas à cidade. O estado utilizará helicóptero para distribuir o restante das vacinas nesta quinta-feira para os outros 88 municípios.

A nova remessa vai garantir a retomada da vacinação em São Gonçalo e Niterói, que suspenderam a aplicação segunda-feira após o término das doses. Em Niterói, idosos de 88 anos começaram a ser imunizados na segunda-feira, mas muitos voltaram para casa porque não houve quantidade suficiente para todos. Com a chegada do novo lote, a cidade promete começar a aplicar nesta quinta-feira a segunda dose no grupo imunizado em meados de janeiro, quando foi iniciada a campanha em todo o país. São trabalhadores da linha de frente da Saúde e idosos que vivem em instituições de longa permanência.

Em São Gonçalo, as vacinas terminaram após a prefeitura anunciar que todos os profissionais de Saúde, de qualquer idade, seriam imunizados. Houve uma corrida de trabalhadores de cidades vizinhas, movimento que foi chamado de “turismo da vacina”. A confusão chamou a atenção do Ministério Público, que recomendou ao município o respeito aos grupos prioritários. A cidade vai divulgar nesta quinta-feira como será a retomada da campanha.

O estado também enviou um ofício às 92 cidades afirmando “ser de extrema importância que os responsáveis técnicos e gestores organizem suas ações, priorizando os grupos elencados no Programa Nacional de Imunizações (PNI)”.