Estados Unidos deixam de sobretaxar o aço laminado brasileiro

O governo dos Estados Unidos revogou medidas restritivas contra exportações brasileiras de aço laminado, que estavam em vigor desde outubro de 2016. Segundo a agência Reuters, a suspensão das tarifas de importação foi anunciada em nota conjunta dos ministérios da Economia e das Relações Exteriores nesta quinta-feira, citando que se trata de decisão do último dia 21.

Tesouro: Governo registra superávit de R$ 11 bi em setembro

Ocupação: Desemprego recua em setembro e renda sobe pela primeira vez desde 2020

"A Comissão de Comércio Internacional dos Estados Unidos (USITC, na sigla em inglês) não irá prorrogar as medidas antidumping e compensatórias contra as exportações brasileiras de produtos de aço laminados a quente (“hot-rolled steel flat products”), que estavam em vigor desde outubro de 2016", afirmam os ministérios brasileiros.

Assim, os EUA deixam de cobrar taxas adicionais de até 45,58% _ sendo 34,28% de direito antidumping e 11,30% de medida compensatória _ na importação de produtos laminados a quente originários do Brasil, informa a agência de notícias.

Sob Bolsonaro: Programas de combate à fome encolhem 38%, e governo privilegia transferência de renda

De acordo com o comunicado, a decisão decorre da conclusão de que a extinção das medidas não deverá levar a dano material à indústria dos EUA.

Em nota, o Instituto Aço Brasil disse que se trata de iniciativa relevante por permitir a retomada desse mercado. A decisão beneficia especificamente as exportações de laminados planos a quente aos EUA. O instituto pondera, porém, que o mercado americano ainda impõe forte restrição a exportações brasileiras, em razão de cotas anuais fixadas em 130 mil toneladas, um patamar considerado baixo.