'Estamos na iminência de abrir', diz Bolsonaro após se reunir com Crivella

Rafael Walendorff*

BRASÍLIA - Em um dia movimentado, após reunião virtual com governadores e um almoço com o prefeito do Rio, Marcelo Crivella, o presidente Jair Bolsonaro afirmou que o país está na “iminência de abrir o comércio”, mesmo com a continuidade da pandemia da covid-19. Ele também disse que a conversa com os chefes dos Estados foi muito boa e que já gerou “reflexos imediatos” no país, como a queda na cotação do dólar.

— Hoje conversei com prefeito [do Rio, Marcelo] Crivella sobre questões que são de competência dele, não minhas. Uma conversa muito boa. Estamos na iminência de abrir, com responsabilidade, é lógico, o comércio para que a miséria não faça a valer no Brasil. A pessoa desempregada não tem saúde — disse em conversa com apoiadores na chegada ao Palácio da Alvorada no fim da tarde de hoje.

Mais cedo, após se reunir com Bolsonaro, Crivella anunciou que deve começar a reabertura do comércio de forma escalonada no Rio nos próximos dias. A ideia é submeter ao "conselho científico" do município nesta sexta um plano elaborado com empresários para retomar as atividades em meio à pandemia do novo coronavírus.

Bolsonaro também disse que a reunião com os governadores pela manhã gerou reflexos imediatos no Brasil. A conversa teve um tom conciliador e de busca por entendimento, diferentemente de embates travados recentemente.

Na porta do Alvorada, no entanto, Bolsonaro ouviu críticas de poucos manifestantes a alguns governadores, mas procurou mostrar alinhamento:

— Tivemos uma reunião muito boa que já gerou reflexos imediatos. A Bolsa subiu, o dólar caiu bastante. Somos uma minoria privilegiada de pessoas e está nas nossas mãos conduzir o Brasil.

(*) do Valor