'Estou morrendo de sede', diz brasileira, que morreu no Novo México, EUA, em últimos áudios enviados à família; ouça

·2 minuto de leitura

RIO — Áudios enviados à família e a amigos pela técnica de enfermagem Lenilda Oliveira dos Santos, de 49 anos, durante a travessia do México para os Estados Unidos, mostram que, apesar do cansaço, da sede e da frustração por ter sucumbido às próprias limitações físicas nos quilômetros finais, ela mostrava confiança de que os companheiros de grupo, que a deixaram para trás, voltariam para socorrê-la de alguma forma. Nas gravações, obtidas com exclusividade pelo GLOBO, é possível notar que, enquanto espera socorro, Lenilda oscila momentos em que parece mais confiante e outros em que a voz, mais fraca, entrega que ela já estava à beira da exaustão. Ela foi encontrada morta esta semana pela polícia ao sul da cidade de Deming, no Novo México (EUA).

“Eu dormi aqui, não aguentei. Estou sozinha, mas eles estão vindo me buscar, pode ficar de boa”, informou ao irmão no último áudio que enviou por celular para ele, no dia 7 deste mês, um dia depois de ter sido abandonada.

Em outros momentos, para tranquilizar a família, ela resssaltava que faltava pouco para realizar seu sonho de chegar a solo americano. “Eu já estou chegando, já, faltando pouquinho para chegar e eu não aguentei (…) Mas estou bem, eles estão vindo me buscar".

Em uma gravação, o tom de Lenilda parece mudar, o que sugere que ela foi gradativamene perdendo a certeza de que o grupo voltaria para busca-la. Ela fazia a travessia com outras tres pessoas e um guia, conhecido como "coiote" entre ilegais que tentam atravessar a fronteira.

“Eu esperei até 11 horas, mas ninguém veio. Eu peguei e saí do lugar”, avisa. Desesperada e já mostrando estar desidratada, a técnica de enfermagem pede para que a família entre em contato com as pessoas do grupo e que avisem onde ela está, para que levem água:

“Eu estou escondida. Manda ela trazer uma água para mim, porque não estou aguentando de sede”.

Lenilda ainda insiste em tentar detalhar sua localização, mas também sem sucesso:

“Deixa eu te falar, eu vim direto, atravessei a cerca e vim direto. Não tem erro. Eu estava debaixo daquela rede de internet, de energia; atravessei a cerca e vim direto, reto”.

Em uma gravação, com voz desfalecida, Lenilda dá sinais de que esta muito cansada:

“Andei um pouquinho para trás, ele mandou eu parar”. Nesse momento, a família acredita que ela quis dizer que não voltou no percurso em busca de algum lugar teoricamente mais seguro justamente porque o coiote que liderava o grupo teria dito para que ela ficasse ali, parada, e os esperasse, mas eles não voltaram para buscá-la.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos