Estratégia arriscada de promover negacionistas republicanos nas eleições parece valer a pena para democratas

Contagem de votos nas eleições de meio de mandato no Estado do Arizona. REUTERS/Jim Urquhart

Por Andy Sullivan

WASHINGTON (Reuters) - Uma arriscada estratégia dos democratas de gastar milhões de dólares na promoção de alguns candidatos republicanos de extrema-direita pareceu valer a pena na quarta-feira, quando os indicados democratas os derrotaram em várias corridas em todo o país.

Críticos dentro do Partido Democrata alertaram que campanhas publicitárias apoiando candidatos que ecoam as falsas alegações do ex-presidente Donald Trump sobre uma eleição roubada de 2020 poderiam ajudar a eleger as mesmas pessoas que os democratas estavam dizendo aos norte-americanos que representavam uma séria ameaça à democracia.

Mas os defensores da medida controversa estimaram que impulsionar esses candidatos sobre os republicanos mais moderados nas disputas pré-eleitorais de seu partido tornaria seus oponentes mais fáceis de derrotar no dia da eleição.

A aposta parece ter funcionado: todos os oito candidatos democratas que se beneficiaram da estratégia foram projetados para vencer suas disputas na manhã de quarta-feira. Os resultados podem ainda apontar um plano para as eleições presidenciais de 2024.

Ainda assim, críticos como o ex-parlamentar democrata Tim Roemer disseram que a estratégia foi destrutiva, pois sacrificou a moral elevada do partido e ajudou a amplificar as falsas alegações de Trump sobre a integridade eleitoral.

"Qualquer idiota pode chutar uma lampião e queimar um bar. É preciso um carpinteiro para construir um - queremos estar do lado do carpinteiro", disse Roemer à Reuters.

Em New Hampshire, a senadora democrata Maggie Hassan venceu facilmente a reeleição, ajudando as chances de seu partido de manter o controle da câmara. Hassan derrotou o republicano Don Bolduc, que havia sido auxiliado por 3,1 milhões de dólares em gastos do PAC da maioria no Senado, um grupo democrata, durante as primárias republicanas.

Bolduc foi considerado muito extremista por membros de seu próprio partido.

Os democratas também defenderam duas vagas competitivas na Câmara dos Deputados em New Hampshire e conseguiram uma em Michigan, já que seus candidatos detinham amplas vantagens sobre os negacionistas eleitorais republicanos.

E os candidatos a governadores democratas em quatro Estados - Pensilvânia, Michigan, Maryland e Illinois - despacharam facilmente candidatos republicanos depois de veicular anúncios nas primárias republicanas no início deste ano.

(Reportagem de Andy Sullivan; reportagem adicional de Jarrett Renshaw na Pensilvânia)