Estrategistas da campanha de Lula e Bolsonaro acreditam que Ciro já mira 2026

O candidato presidencial brasileiro Ciro Gomes fala durante o debate presidencial antes das eleições gerais de 2 de outubro, na rede de televisão SBT em São Paulo, Brasil, em 24 de setembro de 2022.
O candidato presidencial brasileiro Ciro Gomes fala durante o debate presidencial antes das eleições gerais de 2 de outubro, na rede de televisão SBT em São Paulo, Brasil, em 24 de setembro de 2022. (Foto: AFP)

Estrategistas das campanhas de Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e de Jair Bolsonaro (PL) avaliam que os ataques feitos por Ciro Gomes (PDT) aos dois líderes das pesquisas de intenção de voto miram as eleições de 2026.

Para esses integrantes, Ciro têm a percepção de que não tem mais possibilidades de crescer nesta eleição, mas ataca Lula e Bolsonaro numa tentativa de se firmar como um “candidato de centro" para daqui a quatro anos.

A percepção é compartilhada até mesmo por integrantes do PDT. “Mesmo não admitindo publicamente, ele vai querer ser candidato em 2026”, disse um dirigente pedetista ao jornalista Igor Gadelha, do portal Metrópoles.

Embora esteja estancado no terceiro lugar nas pesquisas de intenção de voto, Ciro tem investido alto na campanha. O pedetista já desembolsou R$ 13 milhões com o marqueteiro João Santana.

Na última pesquisa Datafolha, divulgada na quinta-feira (22), Ciro apareceu com 7% das intenções de votos. Muitos dos seus eleitores, porém, admitem que podem mudar a escolha no momento da votação, que ocorre no próximo domingo (2). A ideia é fortalecer o chamado voto útil. O percentual de eleitores de Ciro que dizem que podem votar em quem estiver na frente das pesquisas é de 21%, segundo o instituto.

O Datafolha também perguntou sobre a intenção de comparecer à votação no dia 2 de outubro. A grande maioria diz que com certeza irá votar (92%). Já os que dizem que talvez vão votar são 4%, e os que declaram que não comparecerão à votação são 3%.

A pesquisa ouviu 6.754 pessoas, entre 20 e 22 de setembro, em 343 municípios. A margem de erro é de 2 pontos percentuais para mais ou para menos, dentro do nível de confiança de 95%.