Estruturas do Parque Aquático e da Arena do Futuro serão transformadas em escolas como parte do legado da Rio 2106

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
·3 minuto de leitura
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

RIO — Mais de cinco anos após os Jogos de 2016 no Rio, enfim, parte importante do Parque Olímpico, na Barra da Tijuca, se tornará um legado para a cidade. Na manhã desta quinta-feira, o prefeito Eduardo Paes (PSD) anunciou a desmontagem do Parque Aquático e da Arena do Futuro (Centro Olímpico de Handebol), que vão virar quatro escolas municipais, a um custo estimado de R$ 78,8 milhões — que inclui também a construção. As unidades serão instaladas em Santa Cruz, Campo Grande, Rio das Pedras e Bangu, cada uma com capacidade para 245 alunos. Além disso, a Prefeitura do Rio anunciou que vai fazer uma licitação para conceder as Arenas 1 e 2, o Centro de Tênis, o Parque Público e Live Site à iniciativa privada.

No entanto, engana-se quem pensa que as escolas serão inauguradas por agora. Elas só deverão ficar prontas a partir de 2023. No último mês a prefeitura lançou um edital para a desmontagem das estruturas — que ficaram disponíveis para a cidade após os Jogos de 2016.

O Parque Olímpico, onde fica a Arena do Futuro, que passa a maior parte do ano fechado, terá espaços licitados.

O prazo para o desmonte será de 18 meses. Segundo o prefeito, até o fim da próxima semana a empresa para a retirada das instalações deve ser escolhida.

— Imagino que, se Deus quiser, a desmontagem das estruturas acontecerá até setembro.

Segundo Paes, “no Rio de Janeiro não existe elefante branco construído durante os jogos olímpicos”.

— Não foi só o legado olímpico que foi largado. A cidade foi largada. Não fica a sensação de desperdício. Não tem elefante branco. A única tristeza que eu tenho é sobre a cidade que foi abandonada — disse Paes ao ser questionado sobre os edifícios do complexo que estão parados.

Ao falar sobre o legado olímpico, Paes afirmou que a administração anterior “largou” boa parte da cidade, chamando o ex-prefeito Marcelo Crivella de “incompetente”.

Na Arena 3, a única que está em funcionamento e sob gestão municipal, são oferecidas atividades gratuitamente para alunos, como aulas de ginástica, handebol, artes marciais, badminton e outros esportes. O espaço deve virar uma escola municipal com ensino em tempo integral e 850 vagas para alunos. A manutenção será de responsabilidade da empresa que ganhar a licitação para as Arenas 1 e 2. A nova escola também terá 24 salas de aula e um ginásio experimental olímpico.

O Centro de Tênis e as Arenas 1 e 2 serão concedidos à iniciativa privada por 15 anos, com previsão de investimento de R$ 25 milhões. A licitação deve ocorrer em novembro, de acordo com o edital publicado na quarta-feira. O valor estimado da contratação é de R$ 98 milhões.

— Será concedida a arena e o lote onde ela se encontra — disse Jorge Arraes, assessor especial de concessões e parcerias público-privadas (PPPs).

Além disso, a Prefeitura do Rio vai criar uma nova Pista de Atletismo, que ficará atrás do Parque Aquático Maria Lenk, e será entregue para o Comitê Olímpico Brasileiro (COB).

A Prefeitura do Rio também quer licitar o Centro de Tênis. Já quem vencer a licitação do Parque Público e Live Site, terá que cuidar da manutenção do prédio e do espaço público.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos