Estudante cria aplicativo capaz de ler notas para cegos

Reprodução

Um jovem estudante de Engenharia da Computação desenvolveu um sistema capaz de mudar a vida de pessoas com deficiência visual. Leonardo Maciel, da PUC-Campinas, no interior de São Paulo, criou um aplicativo capaz de identificar cédulas de dinheiro.

A ideia surgiu para evitar que cegos sejam enganados e foi colocada em prática como seu Trabalho de Conclusão de Curso (TCC). O aparelho está sendo testado por Fernando Maciel da Silva, de 33 anos, que é deficiente visual e recebe atendimento pelo Centro Interdisciplinar de Atendimento à Pessoa com Deficiência (Ciapd).

Batizado de “Blind”, o sistema utiliza o sensor da câmera do celular e mais um sistema de reconhecimento que não precisa ter conexão com a internet. Ao ler os dados da cédula, ele informa para o cego qual seu valor.

O aplicativo deverá ser disponibilizado gratuitamente nas lojas virtuais até março deste ano. Segundo o jovem, um amigo com deficiência sempre teve problemas com o reconhecimento das notas e a partir disso veio a ideia do programa.

“Ele comentou comigo que mesmo com a mudança no tamanho das notas tinha dificuldade de conseguir saber, porque umas já estão gastas ou simplesmente porque não consegue distinguir o tamanho de uma para outra”, contou Leonardo em entrevista ao G1.

Para que o sistema consiga ler as notas, o rapaz insere no banco de dados do programa diversas imagens de cédulas, mesmo dobradas, rasgadas e gastas. “Eu faço o treinamento do software com fotos das notas, de várias formas diferentes, de como ela pode estar e, com esse treinamento, a pessoa consegue identificar”, continuou.

Sem emprego há três anos e cego desde 1999 após uma lesão no nervo óptico, Fernando vende trufas no centro de Campinas para complementar a renda de casa.

“Ele precisa de ajuda para dar o troco, saber como contar o dinheiro corretamente. Ele já sofreu muito com isso, foi enganado algumas vezes”, encerrou Leonardo.