Estudantes portugueses se mobilizam para apagar mensagens racistas

GIULIANA MIRANDA
·1 minuto de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Alunos da Escola Secundária Eça de Queirós, que amanheceu na sexta-feira (30) pichada com mensagens contra negros e brasileiros, mobilizaram-se para pintar o muro da instituição e apagar as palavras ofensivas. Indignados com os grafites – que incluíam frases como “Zucas [brazucas], voltem para as favelas. Não vos queremos aqui!” e “Portugal é branco, pretos, voltem para a África!” –, o grupo de alunos decidiu não esperar até a chegada de um pintor profissional. Com a orientação de um funcionário da escola, os estudantes apagaram todos os vestígios das pichações. Acúrcio Domingos, que é professor da Escola Eça de Queirós, registrou o mutirão de limpeza. O docente deixou um relato emocionado na página oficial da instituição no Facebook. “Uma brigada de alunos cuidava de reduzir ao esquecimento, em plena luz do dia, o que os ignorantes gostariam de prolongar em tempos de trevas. Registrei os gestos dos expeditos pintores, enquanto ouvia o comentário de um deles: ‘sem apagar isto, eu recusava-me a entrar na escola’”, diz Domingos. “É por isso que a imagem é fortemente redentora: preserva o patrimônio universal dos que habitam a escola e aprenderam que a herança multicultural é a resposta a oferecer, mesmo àqueles que porfiam, cegamente, em não a querer aceitar”, completou. Além da Eça de Queirós, outras duas escolas, um centro de acolhimento de refugiados e duas universidades foram alvo do vandalismo xenófobo e racista. No ISCTE (Instituto Universitário de Lisboa), alunos fizeram uma pequena manifestação antirracista e a favor dos estudantes estrangeiros. No lugar das ofensas, apareceram placas contra a discriminação racial e mensagens de acolhimento aos alunos internacionais.