Estudo alerta para degelo no solo do Ártico em até 30 anos

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
(2009) Estrada na Sibéria
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

O "permafrost", solo permanentemente congelado do Ártico, pode começar a derreter daqui a entre 10 e 30 anos, liberando gases de efeito estufa na atmosfera e agravando o aquecimento global, indica um estudo publicado nesta quarta-feira.

O permafrost poderia começar a derreter a partir de uma elevação das temperaturas globais de 1,5°C, em comparação com níveis pré-industriais, antecipa este estudo realizado a partir de estalagmites antigas.

A temperatura global média já aumentou 0,8º Celsius após a Revolução Industrial e se a tendência atual se mantiver, limite poderá ser alcançando de "10 a 30 anos", calcula a equipe chefiada por Gideon Henderson, do Departamento de Ciências da Terra na Universidade de Oxford, na Grã-Bretanha.

"É necessário fazer um esforço urgente para reduzir os gases de efeito estufa", alertaram os cientistas, que realizaram o estudo sobre estalagmites e estalagmites encontradas em uma gruta perto de Lensk, no leste da Sibéria.

Estes espeleotemas se formam quando a água da superfície se infiltra no teto da gruta, onde a temperatura ambiente é a mesma da superfície. Por isso, são testemunhos preciosos de uma época em que a região não era congelada.

Graças a vestígios de urânio e isótopos de chumbo, foi possível estabelecer que eles se formaram, em média, há 945.000 anos, depois novamente há 400 mil anos.

Estes períodos de degelo do permafrost coincidem com os períodos em que a superfície da Terra era 1,5ºC mais quente do que a era pré-industrial, com uma margem de erro de 0,5°C, indicam os cientistas.

O estudo deve ser apresentado em 27 de junho, indicou a instituição em um comunicado.

Também chamado de "pergelissolo", o permafrost representa, em média, um quarto da superfície das terras no hemisfério norte. Em nível mundial, encerra 1,7 trilhão de toneladas de carbono, ou seja, cerca do dobro do CO2 já presente na atmosfera.

Se esta matéria orgânica congelada derreter, ela liberará lentamente todo o carbono acumulado e "neutralizado" com o passar dos séculos.

Este excesso de devolvido à atmosfera não foi até agora levado em conta nas projeções sobre o aquecimento global que são objeto de negociações em nível mundial.

A comunidade internacional se colocou como meta limitar o aquecimento a 2°C e conseguir alcançar um acordo global e ambicioso de limitação dos gases-estufa em 2015 durante a conferência climática da ONU prevista para ser celebrada em Paris.

De outra forma, as ações realizadas até o presente colocam o planeta numa trajetória de 3ºC a 5°C.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos