Estudo mostra que risco de coágulo raro é até 10 vezes maior pós-Covid do que depois da vacina

Gabriel Melloni
·3 minuto de leitura
Especialistas analisaram o aparecimento da trombose venosa cerebral, que causou preocupação após ser identificada em alguns pacientes vacinados com doses da AstraZeneca - Foto: MARCO BERTORELLO/AFP via Getty Images
Especialistas analisaram o aparecimento da trombose venosa cerebral, que causou preocupação após ser identificada em alguns pacientes vacinados com doses da AstraZeneca - Foto: MARCO BERTORELLO/AFP via Getty Images
  • Estudo de Oxford detalhou riscos de surgimento de coágulo raro entre pacientes que tiveram Covid-19, vacinas e população em geral

  • Foram mais de 500 mil pacientes com Covid-19 analisados

  • Pesquisa surgiu após os questionamentos sobre os riscos da vacina

Um estudo da Universidade de Oxford mostrou que o risco do desenvolvimento de um coágulo raro é muito maior entre pacientes que tiveram Covid-19, em relação às pessoas que foram vacinadas contra o coronavírus ou à população em geral.

Especialistas analisaram o aparecimento da trombose venosa cerebral, que causou preocupação após ser identificada em alguns pacientes vacinados com doses da AstraZeneca e da Janssen pelo mundo. Agências chegaram a pedir a interrupção do uso destes imunizantes.

Leia também

Segundo o estudo de Oxford, porém, a contaminação por Covid-19 é muito mais preocupante para a formação de coágulos. A trombose venosa cerebral é até 10 vezes mais rara em pacientes que receberam a vacina do que naqueles que tiveram o vírus.

Os cientistas responsáveis pelo artigo identificaram, também, que o coágulo apareceu 100 vezes mais em pacientes que foram diagnosticados com a Covid-19 do que na população em geral.

O estudo levou em consideração casos diagnosticados de trombose venosa cerebral em pessoas que haviam sido vacinadas até duas semanas antes, ou que haviam testado positivo para o vírus neste mesmo período.

Detalhes dos resultados do estudo

Um dos responsáveis pelo estudo ressaltou que a pesquisa surgiu após os questionamentos sobre os riscos da vacina - Foto: AP Foto/Peter Dejong
Um dos responsáveis pelo estudo ressaltou que a pesquisa surgiu após os questionamentos sobre os riscos da vacina - Foto: AP Foto/Peter Dejong

Foram mais de 500 mil pacientes com Covid-19 analisados, com a trombose identificada em 39 a cada um milhão de pessoas;

Em mais de 480 mil pessoas vacinadas com doses da Pfizer ou da Moderna, o coágulo apareceu em quatro a cada um milhão de pessoas;

A cada um milhão de pessoas vacinadas com doses da Oxford/AstraZeneca, foram cinco pacientes com a trombose;

Comparado às pessoas vacinadas com doses da Pfizer ou da Moderna, o risco deste coágulo é 10 vezes maior em pacientes que tiveram Covid-19;

Comparado às pessoas vacinadas com doses da Oxford/AstraZeneca, o risco deste coágulo é oito vezes maior em pacientes que tiveram Covid-19.

Risco maior após o vírus

Um dos responsáveis pelo estudo, Paul Harrison, professor de psiquiatria e chefe do Grupo de Neurobiologia Translacional de Oxford, ressaltou que a pesquisa surgiu após os questionamentos sobre os riscos da vacina.

“Chegamos a duas importantes conclusões. Primeiramente, a Covid-19 aumenta consideravelmente o risco de trombose venosa cerebral, mais um problema de coágulo sanguíneo que esta infecção causa. Além disso, o risco em pacientes com Covid-19 é maior do que vemos naqueles que foram vacinados, inclusive os menores de 30 anos, algo que deveria ser levado em conta quando balancearmos os riscos e os benefícios da vacina”, declarou.