Estudo da Firjan diz que arrecadação diária de royalties de petróleo deve cair mais de 50% em 2020

Ramona Ordoñez
Plataforma no Campo de Marlim, Bacia de Campos

RIO - A Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro (Firjan) estima que a arrecadação diária de royalties do petróleo apresente queda de mais de 50% em 2020, na comparação com a média de 2019, que foi de R$ 25,7 milhões.

Pelo cenário projetado pela Federação, a arrecadação diária deve cair para R$ 12,7 milhões, o que equivale a um valor pouco superior ao arrecadado em 2016, época ainda de crise do petróleo devido às questões políticas do país.

Segundo o estudo, a crise econômica deflagrada pela pandemia e que paralisou o país vai provocar uma redução de 30% na produção de petróleo na Bacia de Campos, além de uma queda do consumo de derivados em 50%.

A Firjan explicou que, em sua análise, considerou o preço do óleo Brent a US$ 25 o barril e o câmbio a R$ 5, tomando como base os dados de janeiro de 2020.

No caso do ICMS, as perdas podem levar o Estado do Rio a uma redução de 8% no recolhimento total desse imposto, em relação à média diária do ano passado.

A Firjan destaca que o setor de óleo e gás é essencial para o suprimento da população, desde a produção de fertilizantes para o agronegócio, as embalagens plásticas para alimentos e remédios até o combustível para fazer chegar os alimentos nos mercados.

Por isso é importante garantir a continuidade da operação do setor para conseguir manter a atividade industrial elevada no estado e garantir a manutenção dos empregos.