Estudo mostra como células mortas do fígado escapam de defesa e podem levar à fibrose

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - No processo de morte e vida celular, a coordenação é feita por diversos sinais que avisam os responsáveis no nosso corpo pela absorção e eliminação das células mortas -a chamada apoptose ou necroptose.

Em geral, as células responsáveis por fazer isso são os macrófagos, assim chamadas por praticarem a "fagia" -literalmente, comer- das células danificadas.

Só que o que acontece quando esse processo não ocorre corretamente?

Cientistas do Centro Médico de Irving, da Universidade Columbia (Nova York), do Instituto de Pesquisa Biomédica da Novartis e do Hospital Policlínico de Milão (Itália) descobriram que a doença da gordura no fígado não alcoólica está relacionada a uma sinalização molecular que impede a absorção das células danificadas do fígado pelos macrófagos.

Como consequência, os moduladores de inflamação continuam a ser liberados, provocando ainda mais inflamação nas células ao redor, o que pode acelerar o processo de fibrose em camundongos.

Os achados foram publicados na edição desta quarta (23) da revista científica Science Translational Medicine.

A gordura no fígado (NAFLD, na sigla em inglês) é uma condição que atinge de 25% a 30% da população. Em alguns locais, como nos EUA, essa proporção pode chegar a 40%.

Ela é caracterizada pelo acúmulo de gordura no fígado sem associação com o consumo de bebida (cirrose alcoólica). Estimativas globais indicam que de 20% a 30% dos casos de gordura no fígado podem evoluir para esteatose hepática (também chamada esteatohepatite, ou NASH, na sigla em inglês).

Há evidência que a necroptose celular está envolvida em diversas condições de saúde, incluindo a NASH, onde o acúmulo de células mortas no fígado é um dos fatores que pode levar à fibrose. No estudo, os pesquisadores buscaram entender como esse processo ocorre.

O que eles observaram é que os macrófagos de indivíduos com NASH não fazem corretamente o papel de morte celular porque as próprias células (hepatócitos) emitem um sinal negativo (uma molécula conhecida como CD47) ao organismo -como se dissesse "não me coma".

Testando um anticorpo conhecido como anti-CD47, capaz de bloquear esse sinal, os cientistas conseguiram pausar e até reverter o processo de esteatose hepática nos camundongos.

Um efeito colateral, porém, foi que alguns dos animais estudados apresentaram anemia.

Um segundo bloqueador molecular, atualmente testado para linfoma não-Hodgkin, também impediu esse sinal e estimulou a necroptose das células do fígado, sem o efeito anêmico nos animais.

Para Ira Tabas, autor sênior da pesquisa e professor de patologia e biologia celular no Centro Médico Irving, a pesquisa é inédita por conseguir demonstrar como o processo de bloqueio da necroptose está associado ao maior risco de fibrose hepática.

"Ficamos surpresos que ninguém nunca tinha estudado isso, porque o papel desse mecanismo em outras doenças é bem demonstrado, só nunca tinha sido testado para esteatose hepática", diz.

De acordo com ele, a equipe está em contato com farmacêuticas interessadas em desenvolver drogas usando esse mecanismo.

"As evidências de ensaios em animais são bastante sólidas, e a análise de amostra de fígados de indivíduos com NASH também reforça o início de estudos clínicos e desenvolvimento de terapêuticas."

"Existe evidência que a terapia com anti-SIRPa pode também ajudar a prevenir a aterosclerose, que é uma doença cardiovascular com lesão do tecido. Essa é uma perspectiva interessante, uma vez que doença cardiovascular é a principal causa de morte em indivíduos com NASH. Então, estaríamos testando uma droga eficaz para duas condições, ou mais, de saúde", completa.