Estudo mostra que primeira reação do corpo ao coronavírus pode prever gravidade da doença

·2 minuto de leitura
staff is taking the driver temperature
Índices do sistema imunológicos entre os dias 9 e 12, a partir do início dos sintomas, pode ser determinante para saber gravidade da doença (Foto: Getty Creative)

Um estudo feito por cientistas brasileiros mostra que, se o corpo reagir de forma mais “agressiva” ao novo coronavírus, isso pode indicar que a doença se desenvolverá de forma mais grave. A pesquisa foi publicada na última segunda-feira, 27, na revista científica Nature.

Foram analisados exames de sangue de 113 pacientes que estavam internados diagnosticado com Covid-19. Alguns eram casos moderados, outros graves. A pesquisa foi liderada por cientistas das universidades de Yale e Rockerfeller, nos Estados Unidos.

O que os cientistas descobriram é que, em pacientes com quadros graves, as respostas agressivas continuam ao longo da doença. Tiago Castro, pesquisador de imunologia na Universidade Rockerfeller, que é um dos autores do estudo, afirma que eles observaram fatos inflamatórios, que poderiam indicar uma severidade.

Baixe o app do Yahoo Mail em menos de 1 min e receba todos os seus emails em 1 só lugar

“A pessoa não é um quadro severo, mas pode desenvolver severidade por causa desses fatores exacerbados da inflamação”, explicou ao portal G1.

Outra descoberta importante é que um caso mais grave da Covid-19 não é definido apenas à quantidade de vírus no corpo, mas a uma disfunção da resposta imune.

O estudo ainda mostra que, em alguns pacientes, há excesso de substâncias citocinas, uma substância do sistema imunológico. Isso acontece entre os dias 9 e 12 depois dos primeiros sintomas da doença. O sistema de defesa do corpo tenta combater o vírus, mas o excesso de citocinas fazia uma “tempestade” no corpo e danificava o organismo.

Leia também

Carolina Lucas, outra autora do estudo e pós-doutoranda em imunologia em Yale, explica que, perto no 9º dia, a análise de sangue de alguns marcadores imunológicos seria suficiente para prever se o paciente terá um quadro clínico mais severo ou se deve começar a melhorar.

Ao G1, Carolina diz que, com essa previsão, antes de o paciente piorar, médicos poderiam dar remédios para controlar a resposta do sistema imune. No entanto, é importante que os medicamentos sejam dados apenas para os pacientes com resposta desregulado, se não, isso poderia inibir a resposta natural do corpo ao coronavírus.