Estudo mostra que toneladas de plástico flutuam no Ártico

Foto: Pixabay/Barni1

Altas concentrações de lixo plástico foram encontradas nos mares do Ártico, mesmo com poucas pessoas vivendo por ali, apontou uma pesquisa. 

Os detritos, possivelmente, vêm de lugares como as costas do noroeste da Europa e até dos Estados Unidos.

O que faz a sujeira chegar tão longe, segundo os pesquisadores, é uma corrente do Atlântico que a arrasta para a áreas consideradas “becos sem saída”, nos mares da Groelândia e de Barents, ao norte da Noruega.

Os resíduos são dos mais variados tipos, como redes de pesca, filmes plásticos, fragmentos e partículas que, segundo cálculos dos pesquisadores, chegam a casa das toneladas.

Aliás, estima-se que as altas cargas de poluição plásticas nos mares possam, inclusive, superar a de peixes no futuro.

O estudo foi conduzido pelo pesquisador Andres Cozar, da Universidade de Cadiz, na Espanha, e os resultados foram publicados na revista “Science Advances”. 

Os cientistas indicam que o plástico que flutua no Ártico representa menos de 3% do total mundial, mas adverte que essa taxa continuará crescendo ao longo dos anos.