Estudo nos EUA mostra que pacientes com ômicron se internam menos e por menos tempo

"Este estudo controlou parâmetros-chave importantes como idade, sexo, infecção prévia por Sars-CoV-2, vacinação prévia e comorbidades", disse a jornalistas a diretora dos CDC, Rochelle Walensky (AFP/Greg Nash)

Um estudo preliminar nos Estados Unidos com quase 70.000 pessoas positivas para covid mostrou um risco substancialmente reduzido de hospitalização e morte pela variante ômicron.

As pessoas infectadas com a ômicron têm metade da probabilidade de serem hospitalizadas, cerca de 75% menos chances de precisar de cuidados intensivos e 90% menos probabilidade de morrer em comparação com pessoas infectadas com a variante delta, anteriormente dominante, segundo o estudo.

Das cerca de 50.000 pessoas infectadas com a ômicron, nenhuma jamais precisou de um respirador.

As hospitalizações duraram, em média, 1,5 dia com a ômicron em comparação com cinco dias para a delta, e 90% dos pacientes com ômicron receberam alta em três dias ou menos.

A análise foi realizada com dados do sistema hospitalar Kaiser Permanente, no sul da Califórnia, que atendeu uma população de cerca de 4,7 milhões de pessoas, entre 1º de dezembro de 2021 e 2 de janeiro de 2022, quando ambas as cepas circulavam amplamente.

As descobertas - baseadas em pesquisas em nível populacional de países como África do Sul e Reino Unido, além de testes em animais e células - indicam que a ômicron se replica melhor no trato respiratório superior do que nos pulmões.

“Este estudo monitorou parâmetros-chave importantes, como idade, sexo, infecção prévia por Sars-CoV-2, vacinação prévia e comorbidades”, afirmou a diretora dos CDC, Rochelle Walensky, a jornalistas nesta quarta-feira (12).

Assim, os resultados sugerem que a ômicron é "intrinsecamente menos grave que a delta", e as reduções observadas em casos graves não são apenas o resultado de mais pessoas sendo vacinadas e infectadas ao longo do tempo, de acordo com o artigo.

Embora o estudo tenha observado uma redução na eficácia da vacina contra a infecção pela ômicron, também encontrou uma proteção contínua substancial contra casos graves.

Walensky alertou que os resultados não justificam uma falta de cuidados, pois a extrema transmissibilidade da ômicron pressiona o já sobrecarregado sistema de saúde dos Estados Unidos e seus profissionais, exaustos.

Este novo artigo, que ainda não foi revisado por pares, foi escrito por pesquisadores da Universidade da Califórnia, de Berkeley, a Kaiser Permanente e os Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC).

Atualmente, os Estados Unidos registram uma média de 750.000 casos por dia, um total de cerca de 150.000 internações por covid e mais de 1.600 mortes diárias.

O principal assessor médico do presidente Joe Biden, Anthony Fauci, previu na terça-feira que "a ômicron, com seu grau extraordinário e sem precedentes de eficiência em transmissibilidade, acabará por pegar quase todos".

Mas acrescentou que depois que o país emergir de sua onda atual, fará a transição para um futuro de convivência com o vírus, com vacinas que devem reduzir a doença grave para a maioria e tratamentos eficazes disponíveis para os mais vulneráveis.

ia/dw/ag/lm/jc/mvv

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos