Estudo reforça ligação entre vacina da AstraZeneca e episódios de trombose

·2 minuto de leitura

RIO — Especialistas em AVC do Reino Unido descreveram em detalhes, pela primeira vez, a relação de coágulos arteriais em jovens adultos com a vacina contra Covid-19 da Oxford/AstraZeneca. O artigo, liderado por David Werring do Stroke Research Center, UCL Queen Square Institute of Neurology, foi publicado em formato de carta na versão online do Journal of Neurology Neurosurgery & Psychiatry.

Apesar da correlação dos casos, um dos autores, Hugh Markus, do Departamento de Neurociências Clínicas da Universidade de Cambridge, lembra que "esses efeitos colaterais são raros e muito menos comuns do que a trombose venosa cerebral e acidente vascular cerebral isquêmico associado à própria infecção por Covid-19”.

Além disso, o uso da vacina foi apoiado pela Organização Mundial da Saúde e pela Agência Europeia de Medicamentos (EMA). Esta última fez uma avaliação técnica e considerou o imunizante seguro e eficaz.

A carta descreve três casos. A primeira paciente, uma mulher na casa dos 30 anos, teve uma dor de cabeça intermitente no lado direito e ao redor dos olhos seis dias após a vacina. Cinco dias depois, ela acordou com sonolência e fraqueza no rosto, braço e perna esquerdos.

Exames revelaram uma artéria cerebral bloqueada com infarto cerebral e coágulos de sangue em uma veia. Ela foi submetida a uma cirurgia no cérebro para reduzir a pressão em seu crânio, remoção e reposição de plasma, e recebeu um anticoagulante, mas faleceu.

A segunda paciente, uma mulher com quase 30 anos, apresentou dor de cabeça, confusão, fraqueza no braço esquerdo e perda de visão no lado esquerdo 12 dias após ter recebido a vacina.

A imagem mostrou bloqueios em vários vasos, incluindo ambas as artérias carótidas (o principal suprimento de sangue para os hemisférios do cérebro) e artérias que irrigam o coração e os pulmões (embolia pulmonar).

A contagem de plaquetas da paciente aumentou após a remoção e reposição do plasma e corticosteróides intravenosos. Ela então recebeu medicamentos e melhorou.

O terceiro caso, um homem com cerca de 40 anos, apresentou problemas de fala e compreensão da linguagem (disfasia) três semanas depois da aplicação da vacina. Exames mostraram um coágulo na artéria cerebral média esquerda, mas não havia evidência de coágulos nos seios venosos cerebrais. Ele recebeu uma transfusão de plaquetas e plasma e fondaparinux, e permanece estável.

Segundo os pesquisadores, as pessoas que sofreram esta forma incomum de acidente vascular cerebral (trombose do seio venoso cerebral) também tiveram baixa contagem de plaquetas (trombocitopenia) e anticorpos contra o fator plaquetário 4 (PF4) — proteínas que ajudam a formar coágulos.

“Pacientes jovens que apresentam AVC isquêmico após receberem a vacina Oxford-AstraZeneca devem ser avaliados urgentemente para VITT com testes laboratoriais (incluindo contagem de plaquetas, dímeros D, fibrinogênio e anticorpos anti-PF4) e gerenciados por uma equipe multidisciplinar (hematologia , neurologia, acidente vascular cerebral, neurocirurgia, neurorradiologia) para acesso rápido a tratamentos, incluindo imunoglobulina intravenosa, metilprednisolona, plasmaférese e anticoagulantes não hepáticos, por exemplo fondaparinux, argatroban ou anticoagulantes orais diretos", dizem os autores.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos