Etiópia anuncia avanços militares em região dissidente

·1 minuto de leitura
Refugiados etíopes fogem da região dissidente do Tigré para o Sudão
Refugiados etíopes fogem da região dissidente do Tigré para o Sudão

O governo etíope anunciou neste sábado (21) ter alcançado avanços militares na região dissidente do Tigré (norte), contra a qual o primeiro-ministro Abiy Ahmed lançou uma operação militar que causou a fuga de dezenas de milhares de pessoas.

"Nossas forças estão avançando para Mekele", capital do Tigré, declarou neste sábado a imprensa governamental, Ethiopia State of Emergency Fact Check. Mekele é o feudo da Frente de Libertação Popular do Tigré (TPLF), que lidera a região.

O primeiro-ministro etíope, Abioy Ahmed, Prêmio Nobel da Paz em 2019, lançou uma operação militar em 4 de novembro contra o TPLF, acusando-o de querer desestabilizar o governo e de atacar duas bases militares etíopes na região, o que as autoridades do Tigré negam.

Segundo a agência do governo, o Exército recuperou também o controle de várias cidades da região, como Aksum e Aidgrat, a cerca de 117 km ao norte de Mekele.

O TPLF mencionou em um comunicado um "intenso bombardeio" de Adigrat, sem indicar qual lado controla agora a cidade.

As afirmações de um ou de outro não podem ser verificadas de forma independente.

Em um comunicado neste sábado, o primeiro-ministro etíope celebrou o avanço do Exército. "Nossas forças já liberaram completamente a cidade de Adigrat da milícia do TPLF", disse.

"A segurança de todos e o bem-estar da população do Tigré é de uma importância primordial para o governo federal e vamos fazer tudo o que for preciso para que prevaleça a estabilidade" na região, acrescentou.

Abiy Ahmed não respondeu até o momento aos pedidos internacionais para uma desescalada.

Os combates, que teriam deixado ao menos centenas de mortos, provocaram a fuga de mais de 36.000 etíopes até o vizinho Sudão, segundo as autoridades sudanesas.

str-tmc/blb/etr/bc/eg/aa