'Eu só quero acordar deste pesadelo', diz pai de criança de quatro anos baleada na cabeça

É considerado gravíssimo, segundo a Secretaria municipal de Saúde, o estado de saúde de Alice Rocha, de 4 anos, baleada na cabeça quando voltava da escola acompanhada da mãe. A menina foi ferida durante uma troca de tiros entre milicianos e policiais civis da Delegacia de Repressão às Ações Criminosas Organizadas (Draco), em Curicica, na Zona Oeste do Rio, na tarde desta quarta-feira. A criança e a mãe pararam para comprar pipoca quando ocorreu o confronto.

Vítimas da violência: Grande Rio soma quatro crianças baleadas em 2022

'Eles atiraram achando que eram os marginais': diz pai de menina baleada em Queimados; um menino morreu

Após disparos: 'Morto com um tiro certeiro no coração', diz moradora sobre criança que morreu em Queimados; outras duas ficaram feridas

Socorrida inicialmente por um primo e levada para a Unidade de Pronto Atendimento (UPA) da Taquara, Alice precisou ser transferida para o Hospital Municipal Miguel Couto, na Gávea, onde passou por uma complexa cirurgia.

Na noite de ontem, a avó materna e o pai da criança estiveram no hospital em busca de informações. Eles contaram o que aconteceu:

— Ela (a mãe) me disse que foi buscá-la na escola, parou para comprar uma pipoca e estava atravessando a rua para ir pra casa. Quando ela viu, a menina estava cheia de sangue. Ela começou a gritar pedindo ajuda, e a minha neta já estava desacordada — disse Elaine Soares, avó de Alice.

Castro sobre mortes na Vila Cruzeiro: 'Quem faz chacina é quem aponta arma para a polícia'

Câmeras registraram; veja: Policial civil é morto em tentativa de assalto na Zona Norte do Rio

Lucas Rocha, pai da menina, tem esperanças de que a menina se recupere o mais rápido possível.

— É como se fosse um pesadelo que está sendo difícil de acordar, mas, graças a Deus, ela está estável. Logo, logo ela vai tá em casa com a gente. Eu só quero acordar desse pesadelo — contou Lucas Rocha, que completou:

— Por toda a comunidade, é uma criança muito querida por todos.

'Vivi para contar': 'Ela chora e me pergunta se é feia' diz mãe da menina vítima de ofensa racista

Andressa da Silva Amaral, mãe da menina, passou a noite no hospital. Durante toda a madrugada, ela usou as redes sociais para pedir orações. Em um vídeo, Alice aparece cantando uma música gospel e Andressa escreveu: “Você não vai desistir. Não vai se entregar. Deus vai agir. E vai te ajudar”.

Mais armas: Especialistas em segurança criticam decisão de distribuir pistolas para PMs aposentados

A Polícia Civil informou que os disparos ocorreram quando agentes da Draco foram verificar uma denúncia de extorsão em Curicica. No local, ainda segundo a polícia, criminosos atacaram as equipes, dando início ao confronto.

Uma pessoa foi presa e foram apreendidos um carro roubado e uma pistola.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos