'Eu tive uma escolha de Sofia: Eu falo ou não?', diz ex-CEO da Americanas sobre rombo de R$ 20 bi

O ex-CEO da Americanas, Sérgio Rial, que renunciou ao cargo nesta quarta-feira após 11 dias no comando de uma das maiores varejistas do Brasil, declarou há pouco, em teleconferência com investidores, que decidiu revelar a inconsistência de R$ 20 bilhões no balanço contábil da empresa por prezar pela transparência das informações. Mas ressaltou que as informações que ele divulgou não foram validadas ainda por auditoria externa

- Eu tive uma escolha de Sofia: Eu falo ou não? Espero a auditoria ou não? Achei que era melhor errar agora do que tentar aguardar. Sempre com disclaimer que isso é o que fomos capazes de ver ao longo de nove dias, já que não houve validação de auditoria externa.

Entenda a crise: Como R$ 20 bi 'sumiram' do balanço da Americanas? Por que o CEO renunciou?

Saiba que é o ‘forfait’: A operação que pode explicar o rombo de R$ 20 bi no balanço da Americanas

Rial sobre Americanas: ‘Transparência e vontade da gestão para falar de problemas talvez não estivesse tão fluida’

A identificação de inconsistências de R$ 20 bilhões no balanço deve comprometer a recuperação dos papéis da empresa - uma das maiores varejistas da América Latina - que acumula perda de quase 60% em um ano na Bolsa.

O anúncio feito pela empresa no início da noite de quarta-feira, após o fechamento da Bolsa, caiu como uma bomba entre os investidores, que alimentavam alta expectativa sobre a capacidade de Rial, ex-CEO do Santander Brasil (cujo conselho ainda preside), de promover uma forte reestruturação na Americanas, um ano e meio depois da fusão da rede de lojas com seu braço de comércio eletrônico, a B2W.

Aperto no cinto: Dono da Riachuelo, Grupo Guararapes fecha fábrica em Fortaleza e dispensa 2 mil trabalhadores

Imposto de Renda: tabela tem defasagem recorde de 148%. Se corrigida, quem ganha menos de R$ 4,6 mil seria isento

Em comunicado ao mercado, a empresa disse ter identificados as inconsistências “em lançamentos contábeis redutores da conta fornecedores realizados em exercícios anteriores”, inclusive o do ano de 2022.

Segundo a varejista, operações de financiamento de compras feitas junto a bancos simplesmente não aparecem no último balanço como deveriam.