EUA acusa Cuba e Venezuela de fomentar conflitos na América do Sul

Um soldado colombiano vigia uma rua na capital colombiana após protestos em novembro de 2019

O governo dos Estados Unidos acusou nesta quarta-feira (27) Cuba e Venezuela de fomentar conflitos na América do Sul, cenário nas últimas semanas de grandes protestos contra o governo de vários países.

O representante especial dos Estados Unidos para assuntos da Venezuela, Elliott Abrams, declarou que os governos venezuelano e cubano usaram as redes sociais e outros meios para estimular os distúrbios, algo "óbvio" segundo registros de domínio público.

"Estão surgindo evidências de um esforço dos regimes de Cuba e Venezuela para exacerbar os problemas na América do Sul", disse à imprensa Abrams, que lidera os esforços diplomáticos no Departamento de Estado para forçar a queda do presidente venezuelano, Nicolás Maduro.

Abrams também destacou a recente expulsão de 59 venezuelanos da Colômbia por participarem de manifestações contra o presidente Ivan Duque.

Também citou acusações, negadas por Havana, que, após Evo Morales renunciar à Presidência em meio a acusações de fraude eleitoral em sua reeleição, os cubanos financiaram protestos contra o governo interino da Bolívia.

O governo americano acusa também a Venezuela de agir nos protestos realizados no Equador e Chile no último mês.

Os protestos, todos contra governos aliados dos Estados Unidos, deixaram mais de 60 mortos e prejuízos milionários nestes países

"Acompanhamos de perto o que os cubanos e os venezuelanos estão fazendo em toda a América do Sul", advertiu Abrams.