EUA afirmam que México, Guatemala e Honduras concordaram em fortalecer segurança nas fronteiras

·3 minuto de leitura
(Fevereiro) Irmã escolta menino que pediu asilo ao entrar nos Estados Unidos, em Brownsville, Texas

Os Estados Unidos anunciaram nesta segunda-feira (12) que México, Guatemala e Honduras concordaram em reforçar a segurança de suas fronteiras, em meio a uma onda de migração irregular para os Estados Unidos, incluindo um número recorde de menores desacompanhados.

A assistente especial de imigração do Conselho de Política Nacional da Casa Branca, Tyler Moran, disse que os três países concordaram em aumentar o patrulhamento nas áreas de fronteira.

“Chegamos a acordos para que eles coloquem mais tropas em sua própria fronteira. México, Honduras e Guatemala concordaram em fazer isso”, disse a assessora do presidente Joe Biden à rede MSNBC.

Isso evitará que os traficantes de pessoas e cartéis de drogas se aproveitem da situação e também protegerá os menores que viajam sozinhos, explicou Moran.

Ela também observou que o governo Biden trabalha com o México "para garantir sistemas de abrigo para cuidar de famílias e crianças".

A porta-voz de Biden, Jen Psaki, afirmou em coletiva de imprensa que esse "compromisso" de aumentar os controles surgiu durante recentes discussões bilaterais, mas trata-se de um problema que "existe há muito tempo".

Segundo ela, o México decidiu manter 10 mil soldados em sua fronteira sul, o que "resultou no dobro das interdições diárias de migrantes", enquanto a Guatemala enviou 1,5 mil policiais e militares para sua fronteira com Honduras, e Honduras destacou 7 mil homens.

"O objetivo é tornar a viagem (dos migrantes) mais difícil e tornar a travessia das fronteiras mais difícil", disse Psaki.

- Esclarecimentos de México e Honduras -

O governo do México esclareceu que "manterá o destacamento já existente das Forças Federais em sua zona de fronteira, com o objetivo de fazer cumprir sua própria legislação migratória, a fim de dar atenção aos migrantes, principalmente menores desacompanhados, e combater o tráfico de pessoas". O governo frisou que favorece "uma migração ordenada, segura, regular e conforme os direitos humanos", e insistiu em que a única solução significativa para o fenômeno migratório é o "desenvolvimento econômico e social".

Por sua vez, o chanceler de Honduras, Lisandro Rosales, explicou que "não houve nenhum compromisso da delegação hondurenha de colocar militares na fronteira". O que existe, disse ele, é um compromisso do governo "para evitar esse tipo de migração, que gera (...) essa rota de morte e luto para a família hondurenha".

Rosales lembrou que o país têm uma força de fronteira conjunta com a Guatemala, conhecida como Maya-Chortí, "que trabalha não só na questão da migração ilegal, mas também na do tráfico e no combate ao crime organizado".

- Migração de menores de idade -

Mais de 172 mil imigrantes sem documentos foram detidos em março na fronteira EUA-México, um aumento de 71% em um mês e o nível mais alto em 15 anos.

O número de menores desacompanhados aumentou 100% em um mês, para quase 19 mil, segundo os últimos dados oficiais.

Moran admitiu a crescente migração irregular para a fronteira sul, mas apontou que 60% das pessoas são rejeitadas devido às medidas de saúde pública para prevenir a propagação da pandemia de covid-19.

Ela destacou que os menores, que representam cerca de 10% dos detidos, são admitidos e o governo tenta reuni-los com seus familiares nos Estados Unidos.

"Estamos tentando transferi-los o mais rápido e com a maior segurança possível dos postos de patrulha de fronteira para as instalações de serviços humanos e de saúde e depois para os cuidados de um membro da família", explicou ela.

Entre os motivos da migração irregular, Moran apontou a violência sofrida na região "há bastante tempo" e impactos ambientais e econômicos, como os furacões Eta e Iota em novembro, que devastaram especialmente Honduras, além de uma grande seca na Guatemala.

"Este é um problema realmente complexo e já existe há muito tempo. E é por isso que não vamos consertar as coisas da noite para o dia. Mas o presidente está levando isso muito, muito a sério", afirmou Moran.

ad/yow/jc/mvv/ic