EUA: agressor do marido da presidente da Câmara queria fazê-la refém

O homem acusado de espancar com um martelo o marido da presidente da Câmara dos Deputados dos Estados Unidos, Nancy Pelosi, depois de forçar sua entrada na casa do casal, ameaçou levá-la como refém e quebrar "seus joelhos" se ela mentisse em seu interrogatório, de acordo com uma queixa criminal federal apresentada na segunda-feira (31).

As supostas intenções de David Wayne DePape surgiram quando os promotores federais acusaram o suspeito de 42 anos de agressão e tentativa de sequestro no arrombamento de sexta-feira (28/10) na casa da família Pelosi, em São Francisco.

Várias acusações estaduais foram apresentadas separadamente no Tribunal Superior de São Francisco, incluindo tentativa de assassinato, agressão com arma mortal, roubo, abuso de idosos e ameaça a um funcionário público, anunciou o promotor público em entrevista coletiva.

A presidente da Câmara dos Deputados dos EUA, de 82 anos, política democrata que é a segunda na linha de sucessão à Presidência dos EUA, estava em Washington no momento do ataque. Seu marido, Paul Pelosi, 82, foi hospitalizado enquanto se recupera de fraturas no crânio e ferimentos nas mãos e no braço direito.

Os médicos esperam uma recuperação completa, disse o gabinete de Pelosi.

DePape foi preso por policiais enviados para a casa depois que Paul Pelosi fez uma ligação de emergência para o 911 relatando um intruso, de acordo com uma declaração do FBI apresentada como parte da queixa.

Paul Pelosi, que inicialmente ficou inconsciente, disse mais tarde à polícia que estava dormindo quando um estranho, armado com um martelo, entrou no quarto e exigiu falar com sua esposa, afirma a queixa.

O suspeito disse à polícia em um interrogatório, após sua prisão, que planejava manter Nancy Pelosi como refém para interrogatório, e que se ela dissesse a "verdade", ele a deixaria ir, mas se ela "mentisse", ele quebraria "suas rótulas" no depoimento ao FBI.

O ocorrido despertou temores sobre a violência política antes das eleições de meio de mandato em 8 de novembro, que decidirão o controle da Câmara dos Deputados e do Senado durante uma das campanhas norte-americanas mais cáusticas e polarizadas em décadas.

*É proibida a reprodução deste conteúdo