EUA alertam para possíveis sanções contra a Coreia do Norte através de 'terceiros'

Os legisladores aprovaram por 419 votos contra um o projeto de lei

Os Estados Unidos disseram nesta quarta-feira que esperam trabalhar com a China para parar o programa nuclear norte-coreano, mas advertiu que, se esse esforço falhar, poderá recorrer a sanções contra terceiros.

Em um discurso para funcionários do Departamento de Estado, o secretário Rex Tillerson falou de "sanções contra nações terceiras" e advertiu que as empresas chinesas podem ser afetadas por trabalhar com Pyongyang.

Tillerson disse que a China reafirmou o seu apoio à "desnuclearização" da península coreana, mas Washington poderia testar seu compromisso de controlar seu vizinho.

Afirmou ainda que Washington pediria às potências mundiais para implementar integralmente as sanções do Conselho de Segurança da ONU contra o regime de Kim Jong-Un, "porque ninguém nunca implementou totalmente".

E advertiu: "Estamos observando o que estão fazendo".

"Quando vemos que não estão sendo implementadas, que empresas ou indivíduos estão violando as sanções, entraremos em contato para pedir que façam o que for preciso", disse ele.

"Se não podem fazer o que se deve ou simplesmente não estão interessados por razões políticas internas, nós o faremos. Penalizaremos através de sanções a países terceiros", acrescentou.

A China aprovou as sanções da ONU contra a Coreia do Norte, mas observadores americanos acreditam que os bancos chineses continuam dando a Pyongyang acesso ao financiamento internacional.