EUA amplia investigação da Tesla por colisões com veículos de emergência

A Agência Americana de Segurança Rodoviária (NHTSA) estendeu uma investigação sobre a Tesla em relação à responsabilidade dos sistemas de assistência ao motorista de seus carros em vários acidentes envolvendo veículos de emergência, de acordo com documentos divulgados nesta quinta-feira (9).

A investigação, aberta no ano passado, sai da fase de avaliação preliminar para a de análise de engenharia, a última etapa antes de uma eventual chamada para revisão, detalha uma nota no site da Agência.

A NHTSA também irá avaliar os dados adicionais e fará suas próprias revisões para esclarecer até que ponto o "Autopilot ou outros sistemas de assistência à condução da Tesla aumentam os riscos humanos ou comportamentais que comprometem a eficácia da supervisão do motorista".

O sistema Autopilot deve ajudar o condutor a seguir sua rota e manter distâncias prudentes de outros veículos, embora a Tesla especifique que o motorista deva permanecer atento a todo momento.

A investigação também abrange um número maior de automóveis - 830.000, modelos S,X,3 e Y, dos anos 2014 até 2022, em vez de 765.000 - e mais acidentes com veículos de emergência estão implicados (16 em vez de 11).

A NHTSA abriu sua investigação em agosto de 2021 para avaliar o sistema Autopilot após o acúmulo de colisões de carros Tesla com veículos de primeiros socorros.

A Tesla não respondeu de imediato os pedidos de comentário da AFP.

jum/vmt/lum/cjc/gm/ap/ic

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos