EUA anunciam envio de 6 mi de vacinas contra Covid para Brasil e outros países da América Latina

·7 minuto de leitura

WASHINGTON, EUA (FOLHAPRESS) - Os EUA anunciaram nesta quinta-feira (3) que vão enviar, inicialmente, 6 milhões de vacinas contra a Covid-19 para o Brasil e outros países da América Latina. O compartilhamento será feito via Covax, iniciativa vinculada à Organização Mundial da Saúde (OMS) para a distribuição de doses a países em desenvolvimento, e ainda não há detalhes oficiais sobre o número de imunizantes que o Brasil vai receber.

O montante é uma fatia dos 80 milhões de doses que o presidente americano, Joe Biden, anunciou que vai enviar a outros países nas próximas semanas. Como as vacinas doadas exigem duas doses, o total que chegará neste primeiro momento à América Latina e Caribe será suficiente para imunizar 3 milhões de pessoas —a região tem mais de 438 milhões de habitantes.

Os EUA anunciaram nesta quinta-feira (3) que vão enviar, inicialmente, 6 milhões de vacinas contra a Covid-19 para o Brasil e outros países da América Latina. O compartilhamento será feito via Covax, iniciativa vinculada à Organização Mundial da Saúde (OMS) para a distribuição de doses a países em desenvolvimento, e ainda não há detalhes oficiais sobre o número de imunizantes que o Brasil vai receber.

O montante é uma fatia dos 80 milhões de doses que o presidente americano, Joe Biden, anunciou que vai enviar a outros países nas próximas semanas. Como as vacinas doadas exigem duas doses, o total que chegará neste primeiro momento à América Latina e Caribe será suficiente para imunizar 3 milhões de pessoas —a região tem mais de 438 milhões de habitantes.

Os outros 6 milhões de doses para fechar a conta da remessa inicial serão compartilhados diretamente com países que, ainda de acordo com o comunicado, "estão passando por surtos", como Índia e México. Apesar da situação grave da pandemia no Brasil, a Casa Branca não cita o país nesta distribuição direta bilateral —o Brasil tem participação pequena no Covax por decisão do governo Jair Bolsonaro.

Nessa fatia, considerada pelo governo americano como "países que estão passando por surtos, em crise e outros parceiros e vizinhos", estão também Canadá, Coreia do Sul, territórios palestinos, Ucrânia, Kosovo, Haiti, Iraque, Iêmen e funcionários da linha de frente da ONU.

"Hoje, estamos fornecendo mais detalhes sobre como alocaremos os primeiros 25 milhões de doses dessas vacinas para preparar o terreno para uma maior cobertura global e lidar com surtos reais e potenciais, altas cargas de doenças e as necessidades dos países mais vulneráveis", disse Biden em comunicado.

"Não estamos compartilhando doses para receber favores ou concessões [...] estamos compartilhando para salvar vidas e guiar o mundo em direção ao fim da pandemia."

O restante das doses —55 milhões— vai seguir o mesmo padrão desta primeira parte do plano de distribuição: 75% via Covax e 25% de compartilhamento direto com países vizinhos e parceiros.

Horas depois do anúncio, o porta-voz do Departamento de Estado americano, Ned Price, disse que a situação do Brasil “é realmente de partir o coração”, mas não respondeu diretamente por que o país não está entre os que vão receber as doses diretamente.

Questionado pela reportagem, Price também afirmou não saber quantas doses irão para o Brasil, explicando que os EUA negociaram o envio via Covax por região, sem discutir a quantidade específica por país.

“Para essas doses compartilhadas via Covax, estamos priorizando de fato a América Latina, o Caribe, bem como no Sul e Sudeste do Sudeste Asiático. Com os [outros] 25% também estamos priorizando uma série de regiões que foram especialmente atingidas nos últimos meses”, disse o diplomata.

Em nota, o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, afirmou que " ainda não temos o número de doses que o Brasil receberá". "De toda maneira, agradecemos muito o governo americano que nos apoia nesse momento. São duas nações amigas. O Brasil e os Estados Unidos têm uma relação bilateral muito sólida e temos além de vacinas outros assuntos, como insumos estratégicos para o kit de intubação orotraqueal. Adquirimos 2,5 milhões de itens desse kit e trabalhamos juntos para enfrentar a pandemia da Covid e ajudar toda a América", diz o comunicado.

Jarbas Barbosa, vice-diretor da Opas (Organização Pan-americana de Saúde), que participa da distribuição das doses da Covax, disse que a entidade também aguarda informações sobre quanto cada país deve receber. Ele fez a ressalva, também, que o total enviado pelos americanos ainda é baixo.

"Ainda não resolve o problema do acesso muito limitado, principalmente por parte dos países mais pobres da América Latina."

A Casa Branca está sob pressão internacional para ajudar nações mais pobres e em desenvolvimento no combate à pandemia, e o governo brasileiro —por meio da embaixada em Washington e o Itamaraty— pedia acesso a parte dos imunizantes.

O embaixador chinês no Brasil, Yang Wanming, compartilhou esta reportagem no Twitter com o comentário: "Melhor que nada". Atrás da China em doações de vacinas, até agora os EUA não tinham decidido para onde iriam as doses, nem apresentado um plano detalhado de distribuição. Autoridades americanas dizem terem sido procuradas “por todas as regiões do mundo”, mas já haviam sinalizado que o Brasil era um dos destinos considerados por Biden.

O governo brasileiro procurou a Casa Branca pela primeira vez em março, somente depois de a imprensa americana noticiar que Biden avaliava doar doses e após outros países já terem feito o mesmo pedido, como o México.

Em 19 de maio, o embaixador do Brasil nos EUA, Nestor Forster, reuniu-se com a coordenadora da resposta global à pandemia do Departamento de Estado americano, Gayle Smith, ao lado de representantes de outros países do hemisfério ocidental, para debater a distribuição das vacinas. Mas nada de concreto foi decidido na ocasião.

Com o negacionismo do governo Jair Bolsonaro, novas variantes e um ritmo bastante lento na vacinação, o Brasil patina no combate à pandemia e é hoje um dos epicentros da crise, com quase 465 mil mortos. Os EUA, por sua vez, são líderes no número de mortos —com cerca de 595 mil vítimas—, mas veem os casos, mortes e hospitalizações caírem vertiginosamente, em meio a uma campanha de imunização em massa de sucesso.

A Casa Branca comprou vacinas suficientes para imunizar três vezes toda a população, aplicou ao menos uma dose em 63% dos adultos do país, mas vinha sendo criticada por priorizar a vacinação interna, mesmo com excedentes de doses, enquanto diversos lugares do mundo estão assolados pela crise, como é o caso de Brasil e Índia.

Nos últimos dias, o ritmo de vacinação dos EUA vem caindo —com ceticismo de parte da população sobre a imunização—, e Biden e governadores têm anunciado estímulos e planos para tentar chegar a 70% dos adultos vacinados até 4 de julho, quando o presidente diz que o país estará, finalmente, no chamado novo normal.

Durante um pronunciamento no início de maio, Biden anunciou que iria enviar mais 20 milhões de doses de vacina para o exterior até o fim de junho, montante que se somou aos 60 milhões de doses da AstraZeneca que ele já havia se comprometido a distribuir a outros países no mesmo período.

O democrata quer liderar a diplomacia da vacina, hoje comandada pela China, que já compartilhou 252 milhões de doses com o exterior, ou seja, 42% do total de sua produção. Para comparação, os 80 milhões de doses prometidos pelos EUA representam 13% da fabricação local. A União Europeia, por sua vez, já exportou 111 milhões de doses, e a Rússia, 27 milhões, segundo o Wall Street Journal.

Biden explicou que as novas doses sairiam do escopo dos três imunizantes já aprovados para uso nos EUA —Pfizer, Moderna e Johnson & Johnson—, enquanto os fármacos da AstraZeneca ainda precisam do aval da FDA, agência reguladora americana.

A distribuição das vacinas, segundo o presidente e seus auxiliares, será feita baseada em dados de saúde pública, em acordo com parceiros e, principalmente, com o consórcio Covax Facility, iniciativa vinculada à OMS para distribuição de doses a países em desenvolvimento.

Os EUA já haviam acordado em março o empréstimo de 4 milhões de doses da AstraZeneca para México e Canadá, mas o número destinado aos países vizinhos foi considerado simbólico.

No fim de abril, houve o anúncio do compartilhamento dos 60 milhões de doses da AstraZeneca, que estavam paradas nos estoques, sem autorização de uso pela FDA.